Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ofensiva e bombardeio matam ao menos 26 rebeldes no Paquistão

Investida sobre o Taleban na região tribal de Khyber também deixou seis soldados mortos

Associated Press

31 de março de 2010 | 10h04

ISLAMABAD - As tropas do Paquistão mataram pelo menos 20 rebeldes nesta quarta-feira, 31, ao responder um ataque de dezenas de extremistas do Taleban em uma área próxima à fronteira do Paquistão, informaram as forças armadas. Em outra região, um bombardeio de aviões americanos matou outros seis rebeldes.

 

A ofensiva do Exército iniciou como uma resposta para um ataque realizado por quase um centena de insurgentes na zona de Bara, na região tribal de Khyber. Pela área passa uma das principais rotas de abastecimento das tropas paquistanesas através da fronteira com o território afegão.

 

O Corpo da Fronteira, organismo paramilitar do Paquistão, desse por meio de comunicado que os rebeldes começaram o ataque fazendo uso de vários veículos carregados de explosivos. Os soldados, entretanto, abriram fogo contra essas unidades e as destruíram durante os combates. Pelo menos seis militares morreram e outros 15 ficaram feridos.

 

Sobre o número de extremistas mortos, há versões conflitantes. De acordo com o Corpo da Fronteira, 25 rebeldes foram eliminados, mas o Exército não de um número exato e se limitou a informar que as baixas inimigas foram "cerca de 20". As forças armadas também relataram 30 insurgentes feridos.

 

Bombardeio

 

No Waziristão do Norte, aeronaves não tripuladas dos EUA destruíram uma instalação e mataram seis supostos rebeldes, segundo funcionários do setor de segurança do Paquistão.

 

Os mísseis atingiram instalações de Zamir Khan, um líder tribal local, na vila de Tapi, cerca de 20 quilômetros a leste de Miranshah, principal cidade do Waziristão do Norte, segundo fontes do setor de segurança.

 

Washington considera o cinturão tribal semiautônomo como a sede da Al-Qaeda e acusa os militantes de tramar nessa área ataques contra os 126 mil soldados dos EUA e da Otan em solo afegão.

 

A área é dominada pela rede Haqqani, apontada como responsável por ataques contra tropas dos EUA no Afeganistão. Também atua ali o senhor de guerra Hafiz Gul Bahadur, que controla até dois mil combatentes na insurgência afegã.

 

No últimos 18 meses o Paquistão tem realizado várias operações na zona da fronteira com o Afeganistão, mas os insurgentes têm resistido. Os EUA apoiam a investida paquistanesa no sul do país para encurralar os rebeldes que fogem do Afeganistão, onde os americanos mantém operações militares.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoPaquistãoofensivaTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.