Ofensiva militar contra minoria étnica mata 10 em Mianmar

Cerca de 40 mil abandonaram as suas casas nos últimos dois meses; tribo karen luta pela autonomia

Efe,

17 de janeiro de 2008 | 02h51

Pelo menos 10 pessoas morreram e cerca de 40 mil abandonaram as suas casas nos últimos dois meses, em conseqüência da ofensiva do Exército de Mianmar contra a minoria étnica karen, no leste do país. De 11 mil a 14 mil soldados foram postados na região para atacar as posições da União Nacional Karen (UNK). O porta-voz da organização, Hla Ngwe, afirmou que são mais de 25 mil os militares envolvidos, informou nesta quinta-feira, 17, a rádio Mizzima. A UNK, guerrilha de maior capacidade militar do país, conta com cerca de 5 mil combatentes. Ela representa cerca de 7 milhões de pessoas da tribo karen. Após dois meses de ofensiva militar, os choques se multiplicaram nos distritos de Myawaddy e Kawkreik, perto da fronteira com a Tailândia. O Exército lança ofensivas esporádicas contra a UNK, que há meio século luta pela autonomia política da região.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.