Ofensiva militar no Sri Lanka deixa 28 mortos

As Forças Armadas do Sri Lanka lançaram ataques aéreos e de artilharia contra um enclave estratégico do grupo rebelde Tigres de Libertação da Pátria Tâmil, matando ao menos 28 pessoas. Oito soldados morreram e 28 ficaram feridos durante a ofensiva contra a localidade de Sampur, ao sul do porto estratégico de Trincomalee. A região é controlada pelos rebeldes. Segundo os insurgentes, 20 civis de origem tâmil morreram, e 26 ficaram feridos. Os Tigres de Libertação da Pátria Tâmil lutam pela criação de um estado autônomo para essa minoria."Eles atacaram com artilharia pesada e bombardeios aéreos. Vinte civis morreram e 26 estão feridos", disse o porta-voz dos rebeldes, Rasiah Ilanthiraiyan.No entanto, de acordo com o porta-voz das Forças Armadas, Prasad Samarasinghe, o objetivo da ofensiva eram bases de artilharia rebelde. "Não matamos nenhum civil. Não acredito que civis vivam na região."É praticamente impossível confirmar os números de baixas de maneira independente porque as zonas de conflitos são restritas a forasteiros, e os agentes de monitoramento europeus que atuavam na região desde a trégua assinada em 2002 fecharam seu escritório na região devido ao deterioração da segurança.Na noite de segunda-feira, os militares já tinham avançado um quilômetro dentro território rebelde. A investida para recuperar Sampur abre um novo front na briga entre rebeldes tâmeis e o governo cingalês, um conflito que já dura mais de duas décadas."Tigres" rebeldesOs rebeldes do Ltte pegaram em armas em 1983, reivindicando uma nação separada para a população de 3,2 milhões de origem tâmil - segundo eles, discriminada pela maioria cingalesa.O conflito resultou na morte de 65 mil pessoas antes de um cessar-fogo estabelecido em 2002. Recentemente, no entanto, o Sri Lanka voltou a viver uma escalada de violência com os dois lados lançando ofensivas miliares em larga escala - embora nenhum tenha desistido do cessar-fogo. Centenas de combatentes e civis morreram desde o final de julho, e 204 mil pessoas ficaram desabrigadas devido aos ataques aéreos e bombardeios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.