AP
AP

Ofensiva no Paquistão deixou 2,4 mi de refugiados em 1 mês

Exército afirma que precisará de até dez dias para ocupar reduto do Taleban na área de combates

25 de maio de 2009 | 09h00

Cerca de 2,4 milhões de civis fugiram no último mês dos combates entre o Exército paquistanês contra os insurgentes taleban no Vale do Swat, no noroeste do país, segundo afirmou a ONU nesta segunda-feira, 25.

 

O Exército anunciou no fim de semana que seus soldados tomaram o controle de vários pontos estratégicos de Mingora, principal cidade do Vale do Swat, no norte do país. O governo ampliou sua ofensiva contra o Taleban na cidade, caçando os militantes de casa em casa e ocupando a Praça Verde, onde os extremistas realizavam decapitações.

 

Segundo os militares, o país ainda precisará de dez dias para retirar os insurgentes de Mingora. Segundo os militares, o ataque por terra a Mingora é uma etapa decisiva na ofensiva contra os fundamentalistas islâmicos no Vale do Swat. A cidade era controlada pelo Taleban e tem cerca de 300 mil habitantes, embora a maioria tenha fugido desde que começou o conflito, em maio.

 

"Deve levar entre 7 e 10 dias para limpar Mingora da presença de combatentes islâmicos", afirmou para a agência AFP o general Athar Abbas, porta-voz do Exército. "A operação é um pouco lenta porque queremos evitar perdas civis e destruir propriedades", afirmou o militar, acrescentando que o Taleban armou minas pela região da cidade e é preciso desativar todos os artefatos explosivos.

 

O Exército informou que 15 mil soldados estão enfrentando cerca de 2 mil militantes islâmicos. A nova ofensiva dos paquistaneses contra o Taleban tem o apoio do presidente dos EUA, Barack Obama, que fez do Paquistão e Afeganistão sua prioridade na luta contra o terrorismo.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.