Ofensiva provoca fuga de 500 mil civis no Paquistão

O governo paquistanês declarou o fim do acordo de paz com o Taleban e ordenou uma ofensiva do Exército para retomar as posições do Taleban no Vale do Swat, perto da fronteira com o Afeganistão, provocando a fuga de 500 mil pessoas, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). "Foi dada a ordem ao Exército para eliminar os terroristas e militantes", disse o primeiro-ministro paquistanês, Yusuf Reza Gillani, em pronunciamento pela televisão.

AE-AP, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 20h18

A nova ofensiva das forças paquistanesas teve início ontem, enquanto o presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, se reunia, em Washington, com seus colegas americano, Barack Obama, e afegão, Hamid Karzai. Há semanas os EUA vinham cobrando uma ação mais enérgica do governo paquistanês contra os insurgentes. Em resposta, Islamabad começou a enviar, desde o dia 26, reforço de tropas à região.

Os ataques de hoje - que contaram com o reforço de intensos bombardeios aéreos - foram concentrados nos distritos de Dir, Shangla e Buner, no Vale do Swat, onde o Taleban tenta expandir sua presença desde fevereiro, quando - após um acordo com o governo central - estabeleceu a lei islâmica (Sharia) nas áreas tribais. Os números de militantes mortos nos últimos dois dias oferecidas pelo governo variam de 10 a 64. As baixas registradas nas forças paquistanesas vão de 10 a 35, de acordo com diferentes fontes.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanfuga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.