Delil Souleiman/AFP
Delil Souleiman/AFP

Ofensiva turca contra curdos no norte da Síria favorece a fuga de jihadistas

Após Donald Trump ordenar a retirada das tropas americanas da região, caças turcos bombardearam posições curdas e tanques realizaram incursões

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 22h03

ANCARA - Após a retirada das tropas americanas e ataques pontuais contra alvos curdos na fronteira, a Turquia iniciou nesta quarta-feira, 9, uma ofensiva militar para controlar o norte da Síria. Caças bombardearam posições curdas e tanques realizaram incursões.

Agências humanitárias de ajuda afirmam que a consequência mais provável é uma nova crise de refugiados. Outra preocupação é o destino de milhares de jihadistas do Estado Islâmico que estão em campos de detenção mantidos pelos curdos, fundamentais na derrota do califado islâmico.

Para Entender

Quem são os curdos e por que a Turquia quer atacá-los?

Turcos enxergam 'ameaça terrorista' em grupo na fronteira com a Síria

É provável que os combatentes consigam escapar e se reagrupar em outro local. Ao menos oito civis morreram, segundo levantamento de ONGs que monitoram o conflito sírio.

A operação militar começou a ser desenhada no domingo, quando Donald Trump anunciou que não faria objeções à invasão turca, o que colocou o presidente em rota de colisão com os democratas e até com seus aliados republicanos no Congresso, que disseram publicamente que a retirada das tropas foi um “erro grave”. Na segunda e na terça-feira, houve ataques pontuais contra alvos curdos, uma preparação para a ofensiva lançada nesta quarta.

A entrada dos turcos na Síria tem como objetivo criar uma “zona de segurança” e afastar os curdos da fronteira – eles são encarados como inimigos pela Turquia e chamados de “terroristas” pelo presidente Recep Tayyip Erdogan. Eles são criticados por sua ligação com grupos curdos, entre eles o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que está envolvido em um violento conflito na Turquia, que desde 1978 deixou mais de 40 mil mortos.

Erdogan diz que pretende usar a área conquistada para assentar milhões de refugiados sírios que hoje vivem na Turquia. As forças turcas fizeram os primeiros ataques ainda na madrugada desta quarta, bombardeando as cidades de Tel Abyad e Ras al-Ayn. As Forças Democráticas Sírias (FDS), milícia curda, disseram que cinco civis morreram – o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que monitora o conflito, afirma que foram oito mortos. 

Os curdos responderam com morteiros lançados contra cidades turcas, sem deixar vítimas. As milícias curdas foram responsáveis pela expulsão do Estado Islâmico do Iraque e do norte da Síria e eram um importante aliado dos EUA. 

Nesta quarta, Trump se limitou a dizer que a operação militar turca era “uma péssima ideia”. “A Turquia prometeu proteger civis, minorias religiosas, incluindo cristãos, e garantiu que não haverá uma nova crise humanitária. Eu pretendo cobrar esta promessa”, disse o presidente. Em seguida, ele chegou a criticar os curdos. “Eles não nos ajudaram na 2.ª Guerra, não nos ajudaram na Normandia.”

A decisão de Trump de abrir caminho para a ofensiva turca causou indignação no Congresso – de governistas e opositores. Nesta quarta, o senador republicano Lindsey Graham anunciou um entendimento com seu colega democrata Chris Van Hollen para aprovar sanções contra a Turquia assim que os congressistas voltarem do recesso, na semana que vem. 

As sanções incluem restrições de viagem aos EUA de autoridades turcas, congelamento de ativos – incluindo de Erdogan –, e punições contra o setor de energia e Forças Armadas. “Rezem pelos nossos aliados curdos, que foram vergonhosamente abandonados pelo governo Trump. Essa decisão assegura o ressurgimento do Estado Islâmico”, escreveu Graham no Twitter.

“Impossível entender por que Trump deixa nossos aliados serem massacrados e permite o retorno do EI”, tuitou a senadora Liz Cheney, aliada do presidente. “Hoje estamos testemunhando as consequências de uma decisão terrível”, disse Susan Collins, também senadora republicana. / AFP, EFE e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.