Oficiais americanos detêm suspeitos no Iraque

Como resultado de uma intensificação no esquema de segurança por conta dos feriados de Natal, militares americanos prenderam hoje dezenas de rebeldes iraquianos suspeitos de participar da resistência contra a ocupação dos Estados Unidos no país.Entre os detidos está um ex-coronel acusado de recrutar milicianos e quatro suspeitos de ligação com o antigo vice-presidente Izzat Ibrahim al-Douri. Acredita-se que ele, apesar de foragido, desempenhe um papel relevante na resistência iraquiana. Ontem, três soldados das forças de coalizão foram mortos. Dois americanos e um tradutor iraquiano pereceram numa explosão numa estrada em Bagdá, e um soldado polonês foi atingido acidentalmente pela arma de um colega numa cidade ao sul da capital do Iraque horas depois da visita do presidente polonês, Aleksander Kwasniewski, ao país.Em Mosul, a maior cidade ao norte do Iraque, o juiz Youssef Murad foi morto a tiros. Os atiradores fugiram. Reforços - A Coréia do Sul está se preparando para enviar 3 mil soldados ao Iraque, que deverão se juntar aos 460 médicos e engenheiros militares que já estão no país. O envio deverá se estender por nove meses - a começar em abril - e deverá fazer da Coréia o terceiro maior contingente miltar da coalizão, depois de Estados Unidos e Grã-Bretanha. As informações são da mídia local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.