Oito civis morrem em ofensiva contra radicais nas Filipinas

Vítimas morreram durante uma incursão em busca de membros do grupo radical islamita Abu Sayyaf

EFE

05 de fevereiro de 2008 | 05h56

Pelo menos oito civis, entre eles duas crianças e três mulheres, morreram durante uma operação armada do Exército contra rebeldes muçulmanos no sul das Filipinas, informaram nesta terça-feira fontes oficiais. Sakur Tan, governador da província de Jolo, 980 quilômetros ao sul da capital, disse que as vítimas morreram durante uma incursão dos militares na busca de membros do grupo radical islamita Abu Sayyaf na aldeia de Maimbung. Tan pediu às autoridades políticas e à Polícia que investiguem as mortes e condenou a violência contra civis. Além disso, revelou que um soldado foi brutalmente assassinado diante de sua mulher, em circunstâncias ainda pouco claras. O porta-voz do Comando de Mindanao Ocidental do Exército, major Eugene Batarael, negou qualquer ato de má fé e argumentou que pelo menos dois dos civis perderam a vida em uma luta entre clãs originada pelas operações contra os rebeldes. O comandante militar da região, tenente-general Nelson Allaga, anunciou que investigará o incidente e levará à Justiça os responsáveis do massacre de civis, mas insistiu em que as Forças Armadas nunca os põem em perigo durante suas operações.

Mais conteúdo sobre:
FilipinasJolo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.