Thaier Al-Sudani/Reuters
Thaier Al-Sudani/Reuters

Oito foguetes atingem base iraquiana usada por soldados americanos

Quatro soldados iraquianos ficaram feridos, segundo o Exército do país; chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, diz estar 'indignado'

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2020 | 15h15
Atualizado 12 de janeiro de 2020 | 20h26

BAGDÁ - Oito foguetes caíram neste domingo, 12, em uma base aérea iraquiana que abriga soldados americanos ao norte de Bagdá, disseram fontes militares iraquianas, que não informaram a origem dos disparos. 

Quatro soldados iraquianos ficaram feridos, segundo o Exército do país. Fontes militares do Iraque asseguraram que nenhum soldado americano foi atingido.

Quase todas as tropas americanas já deixaram essa base localizada em Balad, após uma escalada entre os Estados Unidos e o Irã.

"Restam apenas quinze soldados americanos e um avião em Balad", assegurou à AFP uma fonte militar iraquiana.

Autoridades da segurança iraquianas haviam dito anteriormente à AFP que 90% dos funcionários americanos terceirizados enviados para a base já haviam sido evacuados.

Para Entender

Guia visual para entender a crise entre Irã e Estados Unidos

Desde o ataque um navio petroleiro em junho de 2019, país do Oriente Médio e Estados Unidos vivem escalada de tensão

Desde o final de outubro, dezenas de foguetes foram disparados contra bases iraquianas utilizadas por soldados americanos, matando um americano em 27 de dezembro.

Os Estados Unidos acusaram facções armadas iraquianas pró-iranianas.

Em retaliação, em 29 de dezembro, os Estados Unidos bombardearam bases iraquianas na fronteira síria, matando 25 combatentes da Hashd al-Shaabi, uma coalizão paramilitar pró-Irã integrada às tropas iraquianas.

A escalada atingiu um nível sem precedentes, com um ataque de drone ordenado pelo presidente Donald Trump que matou o general iraniano Qassim Suleimani e o número dois da Hashd, Abu Mehdi al-Mohandis, em 3 de janeiro em Bagdá.

O Irã respondeu em 8 de janeiro disparando 22 mísseis balísticos contra a base aérea iraquiana de Ain al-Assad (oeste), que abriga tropas americanas, sem causar baixas.

Desde então, disparos de foguetes contra os interesses americanos - incluindo a embaixada na Zona Verde de Bagdá - foram realizados quase diariamente, enquanto o Parlamento iraquiano votou pela saída das tropas estrangeiras do país.

EUA

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse neste domingo, 12, estar "indignado" por um novo ataque com mísseis contra uma base iraquiana que abriga soldados americanos, enquanto o vizinho Irã sinalizou para uma redução das tensões no Oriente Médio.

"Indignado pelas notícias de um novo ataque com mísseis contra uma base aérea iraquiana", declarou Pompeo. "Essas repetidas violações à soberania do Iraque por grupos opostos ao governo iraquiano devem cessar", acrescentou.  /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.