Oito mortos retirados de desabamento em Moscou

Grupos de resgate retiraram hoje um oitavo cadáver das ruínas de um edifício residencial em Moscou, destruído por uma explosão que deixou uma fenda de 15 metros de largura e derrubou cinco andares de apartamentos. Ainda se desconhece quantas pessoas estavam nos apartamentos no momento da explosão, ocorrida na terça-feira à noite. Depois de as equipes dos serviços de emergência trabalharem durante toda a noite, o ministro de Situações de Emergência, Sergei Shoigu, disse que pelo menos umas 12 pessoas podem ter ficado bloqueadas pelos escombros. Uma porta-voz do ministério, Tatiana Andreyeva, disse hoje que pelo menos oito pessoas morreram. A televisão russa informou que entre os corpos estão os de uma mãe e seu bebê de oito meses, uma menina de seis anos e dois adolescentes. Shoigu, a quem o presidente Vladimir Putin encarregou das operações de resgate, disse que a causa mais provável da explosão foi um vazamento de gás natural. Um promotor da cidade, Mikhail Avyukov, disse que o problema se originou em um apartamento do segundo andar. Antes, Shoigu havia dito que quatro pessoas foram retiradas com vida das ruínas, de acordo com a agência de notícias Interfax. A agência ITAR-Tass disse, no entanto, que oito pessoas haviam sido retiradas vivas, entre elas uma mulher com queimaduras em 80% do corpo. Os funcionários dos serviços de emergência usaram uma enorme grua e faróis de alta potência para erguer os escombros, manobrando entre cortinas, portas, estofados e outros artigos domésticos expostos pela tragédia.

Agencia Estado,

21 Agosto 2002 | 14h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.