Polícia de Bangladesh/AFP
Polícia de Bangladesh/AFP

Oito pessoas são linchadas até a morte em Bangladesh em razão de boatos

Segundo as informações que se espalharam pelo Facebook, as vítimas estariam sequestrando crianças para realizar sacrifícios humanos como oferenda para a construção de uma ponte

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2019 | 08h39

DACA - Oito pessoas foram mortas em linchamentos em uma semana em Bangladesh por causa de boatos sobre sacrifícios humanos destinados a permitir a construção de uma ponte, informou a polícia nesta quarta-feira, 24. Segundo os boatos que se espalharam pelo Facebook, sequestradores de crianças estariam tentando obter cabeças humanas para entregar como oferenda para a construção de uma ponte de US$ 3 bilhões. A obra está sendo construída em Padma, uma extensão do rio Ganges em Bangladesh.

"Investigamos cada uma dessas oito mortes. De todos os mortos por uma multidão de linchadores, nenhum era sequestrador de crianças", declarou o chefe da Polícia Nacional, Javed Patwary, em uma entrevista coletiva na capital Daca. No total, mais de 30 pessoas já foram atacadas em incidentes relacionados aos boatos.

Delegacias em todo o país foram ordenadas agir contra as informações falsas. Pelo menos 25 contas do YouTube, 60 páginas do Facebook e 10 sites foram fechados. No entanto, a agência France-Presse identificou várias mensagens que continuam a propagar o rumor nas redes sociais.

Os linchamentos são frequentes em Bangladesh, mas essa nova onda é particularmente brutal. Entre as vítimas, há uma mãe solteira de dois filhos, Taslima Begum, que foi espancada até a morte no sábado, 20, em frente a uma escola de Daca por um grupo que suspeitava que ela fosse uma sequestradora de crianças.

Em outro caso, um homem surdo foi linchado nos arredores da capital no mesmo dia quando visitava sua filha. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.