Oito reféns são libertados na Colômbia

Um dirigente sindical, sua esposa eseis funcionários governamentais foram libertados na Colômbiaapós terem sido seqüestrados por grupos à margem da lei, disseram hoje autoridades locais. Rafael Angel Gutiérrez, secretário da seção de oleodutosda União Sindical Operária (USO), o poderoso sindicato dospetroleiros, foi colocado em liberdade esta mmanhã, informou aBrigada XIV do Exército. Gutiérrez e sua esposa viajavam de automóvel na quarta-feiraentre Puerto Berrío e Medellín, no noroeste do país, quando foramseqüestrados aparentemente por um grupo paramilitar. Segundo os militares, após o deslocamento das forças deresgate pela região do seqüestro, o casal foi posto em liberdade,mas com grandes hematomas no rosto, o que tornou necessária sua hospitalização. O seqüestro ocorreu no momentos em que a USO havia ameaçadoconvocar uma greve geral em protesto contra a decisão de umtribunal de arbitragem que reduziu algumas das conquistas trabalhistas para futuros trabalhadores da Empresa Colombiana dePetróleo (Ecopetrol). Outros seis trabalhadores de nível técnico a serviço dosministérios do Meio Ambiente e dos Transportes foram libertadosno dia de Natal pelo Exército de Libertação Nacional (ELN), a segunda maior guerrilha do país. Os seis chegaram naquinta-feira a Quibdó, a 305 km a noroeste de Bogotá, após seremliberados pelos guerrilheiros como um gesto de boa vontade, massem nenhuma explicação. Essa liberação incondicional ocorreu após o presidentecolombiano, Alvaro Uribe, divulgar que havia se reunido háalgumas semanas com Felipe Torres, um dos porta-vozes do ELN,que foi libertado recentemente após cumprir a pena a que foracondenado, em um esforço pra reativar as negociações de paz comesse grupo rebelde. Tais esforços, no entanto, não impediram a ocorrência denovos confrontos entre os grupos armados e forçasgovernamentais: pelo menos um soldado, cinco guerrilheiros ecinco paramilitares morreram em diferentes ataques e combates nodia Natal no país, informaram fontes oficiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.