Oito soldados britânicos morrem no Afeganistão em 24 horas

Desde o início das operações do Reino Unido no país, em outubro de 2001, 184 soldados morreram

EFE

11 de julho de 2009 | 06h50

Oito soldados britânicos morreram no Afeganistão em menos de 24 horas, o que eleva a 15 o número de baixas entre militares do Reino Unido desde o início de julho. Desde o início das operações britânicas nesse país, em outubro de 2001, 184 soldados morreram.

 

O aumento no número de baixas se deve à grande operação na província de Helmand, no sul do Afeganistão, que procura debilitar os taleban a um mês das eleições gerais afegãs. A quantidade de mortos já supera à no Iraque, país do qual o Reino Unido completará sua retirada no final do mês, e situa o Afeganistão como o conflito mais sangrento para as forças armadas desde a Guerra das Malvinas, em 1982.

 

Da mesma forma que fez ontem na Itália o primeiro-ministro, Gordon Brown, o ministro de Assuntos Exteriores, David Miliband, disse neste sabão que não dará um passo para trás na luta no Afeganistão.

 

Em declarações à "BBC", Miliband ressaltou que as tropas estão nesse país para "garantir que o Afeganistão não possa voltar a se transformar em uma incubadora do terrorismo e em uma rampa de lançamento para atentados terroristas contra britânicos".

 

"Estamos falando do futuro do Reino Unido, porque sabemos que os territórios fronteiriços entre Afeganistão e Paquistão foram utilizados para preparar terríveis atentados, não só contra os Estados Unidos, mas também contra os britânicos", disse Miliband.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.