AFP
AFP

Hollande ouviu explosões antes de tomar conhecimento do ataque ao Bataclan

O chefe de Estado seguiu para o centro de segurança do estádio, para onde se deslocou rapidamente o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, para fazer uma primeira avaliação

O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2015 | 07h42

PARIS - O presidente francês, François Hollande, assistia na sexta-feira à noite ao amistoso de futebol entre França e Alemanha (2-0) no Stade de France quando ouviu uma primeira explosão e depois outra, antes de tomar conhecimento do ataque à casa de espetáculos Bataclan.

"François Hollande estava no Stade de France. Era entre 21H00 (18H00 de Brasília) e 21H15 (18H15 de Brasília), quando ouviu uma primeira explosão e depois outra. Em seguida foi informado que as explosões não eram acidentais", informaram fontes próximas à equipe presidencial.

O chefe de Estado seguiu para o centro de segurança do estádio, para onde se deslocou rapidamente o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, para fazer uma primeira avaliação.

"Mas ainda não sabiam de muitas coisas", disse uma fonte.

"Decidiram sair do estádio quando souberam que outro ataque estava acontecendo perto do Bataclan. Levando em consideração o que acontecia, seu local deveria ser então o ministério do Interior, na célula interministerial de crise".

"O primeiro-ministro francês (Manuel Valls) os encontrou rapidamente no local. Com todas as forças de segurança, fizeram um primeiro balanço do ocorrido, sabendo que as operações continuavam", afirmou a fonte.

Pouco depois, o chefe de Estado francês, o primeiro-ministro e o ministro do Interior decidiram organizar um conselho de ministros excepcional pouco antes da meia-noite e um discurso do presidente seria exibido na TV. Na reunião, que durou 45 minutos, Hollande citou o "espanto", a "necessidade de união" e a "vontade de reagir" aos ataques.

Os ministros presentes, em particular Marisol Touraine (Saúde) e Christiane Taubira (Justiça), apresentaram balanços de suas áreas.

François Hollande, acompanhado de Taubira, Valls e Cazeneuve, se deslocou em seguida para a casa de espetáculos Bataclan. O comandante dos bombeiros inforrmou sobre as ações em um café próximo, antes da chegada da prefeita de Paris, Anne Hidalgo, e do presidente da Assembleia francesa, Claude Bartolone.

"Depois caminharam até o Bataclan, mas pararam a alguns metros porque não era possível entrar no local. Ainda aconteciam operações de retirada e investigações", anunciou a equipe presidencial.  No local se encontraram com o procurador da República, François Molins.

Ao retornar ao ministério do Interior, François Hollande seguiu para a célula de crise com o primeiro-ministro, a ministra da Justiça e o ministro do Interior, que avaliaram a situação até quase 3H30 (0H30 de Brasília), antes de um conselho de Defesa na manhã deste sábado.

Pelo menos 128 pessoas morreram na sexta-feira à noite e mais de 200 ficaram feridas em vários ataques terroristas sem precedentes, com a realização pela primeira vez na França de ataques suicidas. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.