Olmert buscará apoio internacional para retirada da Cisjordânia

O primeiro-ministro interino de Israel, Ehud Olmert, disse neste domingo que buscará o apoio dos Estados Unidos e da comunidade internacional para a retirada israelense da Cisjordânia, da mesma forma que fez seu antecessor Ariel Sharon no caso de Gaza. Queremos delimitar as fronteiras definitivas de Israel e para fazê-lo teremos que nos separar dos palestinos e definir nossas linhas vermelhas", disse o primeiro-ministro interino em entrevista à rádio pública. Olmert se referia à realização de um debate interno em Israel para decidir o alcance da retirada que prometeu realizar na Cisjordânia, para depois solicitar o respaldo da comunidade internacional. "Primeiro realizaremos negociações dentro do Estado de Israel, a fim de saber o que queremos, e depois buscaremos o apoio da comunidade internacional a essas fronteiras, incluindo o dos EUA", acrescentou. A intenção de Olmert é seguir os passos de Sharon na evacuação de Gaza, quando este conseguiu o apoio internacional para que Israel saísse unilateralmente dos assentamentos e se retirasse sem responsabilidade jurídica alguma rumo às fronteiras internacionais. "Acho que há uma grande disposição tanto nos EUA quanto em outros lugares para ouvir este assunto e discuti-lo de forma séria", disse o ministro durante a entrevista. Plano de Convergência O primeiro-ministro interino, favorito ao pleito da próxima terça-feira, propôs na campanha o que ele chama de "Plano de Convergência" para retirar os assentamentos mais isolados em áreas vizinhas aos três grandes blocos de colônias na Cisjordânia: Ma´aleh Adumim, Gush Etzion e Ariel. Nesses três blocos residem 45% dos 250 mil colonos judeus que vivem na Cisjordânia. O objetivo do líder do Kadima é garantir a maioria judaica dentro do Estado de Israel, sem esperar que os palestinos renunciem à violência para negociar. Embora em princípio a comunidade internacional tenha se mostrado reticente em aceitar o "Plano de Desligamento" de Gaza, EUA e União Européia deram seu apoio incondicional, ao ver nesse precedente um passo construtivo rumo ao "Mapa de Caminho".

Agencia Estado,

26 Março 2006 | 09h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.