Olmert: cessar-fogo imediato não interessa a Israel

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse nesta terça-feira que não é do interesse de Israel concordar com um cessar-fogo imediato em sua ofensiva contra posições do Hezbollah no Líbano. Segundo Olmert, os combates estão enfraquecendo os guerrilheiros."Cada novo dia de combate drena a força deste inimigo cruel. Cada dia extra é um dia em que o Exército reduz a capacidade deles, contendo suas capacidades de atacar e de nos atingir no futuro", disse o primeiro-ministro.Olmert falou depois que o Gabinete de Segurança israelense tomou a decisão de ampliar a atual ofensiva no Líbano, que chegou ao seu 21º dia nesta terça-feira, apesar da pressão internacional para que um rápido cessar-fogo seja anunciado. A ofensiva começou no último dia 12 depois que guerrilheiros do Hezbollah atravessaram a fronteira e mataram e capturaram soldados israelenses.Falando durante uma cerimônia militar em Tel-Aviv, Olmert expressou a esperança de que um eventual cessar-fogo seja baseado em uma fórmula que pressionaria o Hezbollah para longe da fronteira israelense e preveniria ataques futuros.Na opinião do premier isralense, a ofensiva israelense levará a uma situação em que um cessar-fogo sustentável poderá ser anunciado. "Estamos no início de um processo diplomático que eu acredito que irá nos levar para um cessar-fogo sob condições totalmente diferentes daquelas que existiam antes (do início dos bombardeios na nossa fronteira norte). (Estas condições) permitirão uma verdadeira zona de segurança entre nós e aqueles que pretendem tomar nossas vidas, com apoio internacional que nunca vimos antes", disse Olmert. "Nós concordaremos com um cessar-fogo quando soubermos com certeza que as condições de campo mudaram em relação àquelas que causaram esta guerra", concluiu. Ataques aéreosO ministro da Justiça israelense, Haim Ramon, disse nesta terça-feira que Israel irá realizar um forte ataque aéreo contra posições do Hezbollah no início da quarta-feira, no momento que um acordo de cessar-fogo parcial anunciado há dois dias terminar. Na madrugada de segunda-feira, Israel concordou em estabelecer uma trégua de 48 horas na maioria de seus bombardeios aéreos contra o Líbano, pressionado pelos Estados Unidos depois que um ataque israelense contra um prédio na cidade de Qana matou dezenas de civis, entre elas várias crianças.Ramon disse que a Força Aérea de Israel planeja iniciar seus ataque aéreos a partir da 1 hora da quarta-feira, horário local. A cessar-fogo parcial terminaria às 2 horas."A trégua era válida por 48 horas, e isto é o que estamos fazendo, e a partir da 1 da manhã retomaremos as atividades aérea", disse Ramon em uma entrevista a rede de TV Canal 10.Ramon disse ainda que os combates já eliminaram ao menos 300 dos 2.000 guerrilheiros do Hezbollah. "Está é uma grande explosão", disse ele.Segundo o Hezbollah, no entanto, apenas 46 de seus homens foram mortos. Ataques terrestresNo frot de batalha no sul do Líbano, o exército de Israel iniciou uma pesada ofensiva contra os militantes do Hezbollah na vila Ayta a-Shab, informou o jornal israelense Haaretz.Uma unidade de soldados operava na região desde segunda-feira e nesta terça-feira quatro guerrilheiros foram atingidos, e aparentemente estão mortos. Um soldado israelense foi atingido e ficou levemente ferido na cidade de Maroun A-Ras, mas foi levado a um hospital.Ramon disse que Israel fez um grande progresso contra o Hezbollah, e que a expansão da ofensiva deveria resultar em uma vitória.O objetivo da operação é completar a destruição dos fortes pontos de atuação do Hezbollah na fronteira até quinta-feira. Na manhã desta terça-feira, tropas tomaram o comando de um centro do Hezbollah na cidade de Taibeh e operou na área das vilas de al-Adaisa e Rab a-Talatin. O exército israelense disse que vários mísseis Katiushas foram lançados a partir destas vilas nas últimas semanas. De acordo com estimativas de Israel, o Hezbollah ainda tem cerca de 9 mil mksseis Katiusha.O primeiro-ministro disse ainda que Israel não irá mais aceitar a transferência de armas da Síria para o Hezbollah e não irá mais permitir que o grupo xiita renove sua capacidade bélica depois que a guerra tiver terminado.A ofensiva de Israel no Líbano provavelmente durará semanas, e há a chance de Israel ocupar o território até o Rio Litani, segundo informou o ex ministro de Defesa Ephraim Sneh, horas depois de que o Gabinete de Segurança votou a expansão da ofensiva para dobrar o número de soldados no Líbano.Texto atualizado às 17h04

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.