Olmert considera libertar presos palestinos

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, afirmou neste domingo que poderia libertar alguns prisioneiros palestinos nos próximos dias, mesmo que os milicianos ainda não tenham deixado em liberdade um soldado israelense capturado há meses. Caso isso ocorra, representaria uma mudança importante na política do governo israelense e fortaleceria a posição do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmud Abbas, em seu conflito com o grupo extremista Hamas, que controla o gabinete e o parlamento palestinos.Milicianos ligados ao Hamas capturaram o soldado Guilad Shalit durante um ataque na fronteira da Faixa de Gaza em junho e depois exigiram que Israel libertasse cerca de 1 mil prisioneiros palestinos.Olmert vem rechaçando o pedido e afirmando que Shalit deveria ser libertado antes de qualquer libertação de um réu palestino. Mas o premier, que vem tentando nos últimos meses retomar o processo de paz com os palestinos, se reuniu no sábado à noite com Abbas e ofereceu uma série de gestos de boa-vontade ao presidente palestino.Entre outras coisas, lhe sugeriu a eliminação de alguns postos de controle na Cisjordânia e a entrega de cerca de US$ 100 milhões em fundos congelados.Neste sábado, durante uma reunião de gabinete, o premier israelense disse que era preciso reconsiderar sua atitude com relação à libertação de alguns dos cerca de 5 mil palestinos que permanecem em cárceres do Estado judeu. "Chegou o momento de mostrar flexibilidade e generosidade para com os presos", afirmou Olmert, segundo um dos participantes do encontro ministerial. "Pode ser que essa opinião seja diferente do que fora dito em outros encontros anteriores do governo, mas essa é minha opinião", disse.De acordo com a fonte, que pediu para não ser identificada, Olmert sugeriu a seu gabinete que alguns prisioneiros poderiam ser libertados durante a festividade muçulmana do Eid al-Adha, que começa em uma semana.Desta forma, Olmert espera ajudar a fortalecer o argumento de Abbas de que apenas um diálogo com Israel ajudará os palestinos a ter seu próprio Estado. O Hamas, que em seu estatuto defende a destruição de Israel, é favorável ao uso de força para conseguir a independência palestina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.