Olmert endossa pedidos pela saída de presidente israelense

As pressões pela renúncia do presidente israelense, Moshe Katsav, acusado de estupro e abuso de poder, ganharam nova envergadura nesta quarta-feira, depois que o primeiro-ministro, Ehud Olmert, ampliou as vozes que pedem pela saída do chefe de Estado.Olmert, que participava de uma conferência sobre segurança, citou as ameaças do promotor-geral de indiciar Katsav e disse: "Eu não tenho dúvida de que o presidente não pode continuar com suas atribuições (no cargo) e ele deve deixar a residência presidencial."As declarações de Olmert vieram minutos depois de um apaixonado discurso de Katsav, que insistiu que ele não irá renunciar até que seja formalmente indiciado. Mais cedo nesta quarta-feira, a ministra de Justiça e também titular das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, também havia pedido a renúncia de Katsav. Livni fez essa chamada em sua função de ministra da Justiça, cargo que ocupa provisoriamente porque o ex-titular, Haim Ramon, está suspenso também devido a um crime sexual.Na terça-feira, o promotor-geral anunciou que pretendia indiciar Katsav, mas deu ao presidente e seus advogados uma chance para se defender. Katsav disse ter certeza de que poderá convencer o promotor de que as acusações contra ele são falsas. Ele alega ser vítima de um complô formado para derrubá-lo. Embora tenha pedido a saída de Katsav, Olmert também está sob a mira da justiça. A polícia investiga se o premier tentou favorecer amigos durante a venda de um dos maiores bancos israelenses, em 2005. À época, Olmert era ministro das Finanças de Israel. Além disso, o discurso do presidente, que incluiu ameaças ao Irã, foi recebido com frieza pelo público, que não parou para aplaudi-lo em nenhum momento. A falta de apoio ao premier pode ser entendida como um reflexo da queda na popularidade de Olmert após a inconclusiva guerra com a milícia xiita Hezbollah em meados do ano passado.Do lado de fora do local em que o discurso foi proferido, opositores de Olmert pediam sua renúncia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.