Olmert evita investigar conflito com Hezbollah, diz organização

A organização Movimento para a Qualidade no Poder afirmou que o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, persiste em evitar enfrentar uma comissão independente para a investigação dos erros no recente conflito entre Israel e a milícia xiita libanesa do Hezbollah.A afirmação deste grupo, que avalia a gestão dos governantes, aconteceu depois que o Estado de Israel anunciou nesta quarta ao Tribunal Supremo que a criação da Comissão Winograd - designada pelo poder Executivo para investigar os erros no recente conflito no Líbano - foi uma decisão legítima.O grupo acusou Olmert de "continuar evitando enfrentar os problemas difíceis com sua reticência em criar uma comissão nacional de investigação".Acrescenta que o primeiro-ministro "insiste em estabelecer um órgão de investigação fraco, e não parece se sentir comprometido pelo fato de que não existe nenhuma lógica em que a mesma comissão de investigação tenha sido designada pelos próprios investigados".Além disso, vários grupos que protestam contra a gestão do governo e das Forças Armadas na recente crise com o Hezbollah convocaram uma manifestação para quinta em frente à residência do primeiro-ministro em Jerusalém. Os manifestantes exigirão a abertura de uma investigação estatal sobre o conflito no Líbano.Após as hostilidades, que terminaram em 14 de agosto com um cessar-fogo promovido pelo Conselho de Segurança da ONU, os partidos da direita nacionalista na oposição, assim como reservistas que combateram na guerra, exigiram uma investigação judicial e independente, e também a renúncia de Olmert, do ministro da Defesa, Amir Peretz, e do chefe das Forças Armadas, general Dan Halutz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.