Olmert inicia negociações para formação de novo governo israelense

Os representantes do primeiro-ministro interino de Israel, Ehud Olmert, começam neste domingo as negociações oficiais para formar o novo governo, após a vitória de seu partido, Kadima, nas eleições de 28 de março. As negociações, que acontecem na cidade de Ramat Gan, próxima a Tel-Aviv, começam com uma primeira rodada de contato entre os delegados do Kadima e do Partido Trabalhista, informaram fontes do partido. O Kadima conquistou 29 cadeiras nas eleições parlamentares e o presidente de Israel, Moshé Katsav, encarregou na quinta-feira passada seu líder, Olmert, da formação do novo Executivo. Ele terá quatro semanas, com uma prorrogação de 14 dias, para cumprir a missão. Em princípio, o Partido Trabalhista, segunda força política no Parlamento, ou "Knesset", com 19 cadeiras, deveria ser o parceiro preferencial na coalizão de governo. Mas sua incorporação depende de o Kadima aceitar uma série de medidas de caráter social. Entre elas estão o aumento do salário mínimo, um sistema obrigatório de pensões e a devolução aos menos privilegiados das ajudas estatais que o governo anterior anulou ou diminuiu. Assentamentos Olmert assegurou que não vetará a entrada na coalizão de nenhum partido desde que aceite seu programa de governo, que inclui a evacuação de uma parte dos assentamentos judaicos na Cisjordânia. Segundo a imprensa local, o líder israelense propõe uma retirada de 90% dos 5.400 quilômetros da Cisjordânia, o desmantelamento de dezenas de assentamentos judaicos e o despejo de 90.000 dos 220.000 colonos. A maioria desses colonos seria transferida a grandes blocos de colônias junto à Linha verde - entre elas as de Ma´aleh Adumim, Gush Etzión e Ariel -, ainda em território ocupado.

Agencia Estado,

09 Abril 2006 | 06h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.