Olmert planeja 1º encontro com Abbas desde vitória do Hamas

O primeiro ministro interino de Israel e líder do partido vencedor nas últimas eleições, Ehud Olmert, planeja encontrar-se com o presidente palestino, o moderado Mahmoud Abbas, assim que terminar uma visita a Washington nas próximas semanas, informou nesta terça-feira uma fonte israelenses. A decisão dá respaldo para a postura mantida por Abbas, que acha que os contatos entre palestinos e israelenses não devem ser cortados por causa da chegada do movimento islâmico Hamas ao governo.Segundo a fonte, ainda não há uma data para o encontro, o primeiro desde a vitória parlamentar do Hamas nas eleições de janeiro. Israel insiste em não negociar com os militantes islâmicos, que mantém a promessa de destruir a nação judaica. De acordo com a fonte, ainda não há consenso no governo israelense de que a abertura das negociações com Abbas poderá reiniciar um processo de paz na região. A fonte falou em condição de anonimato porque os planos ainda não foram oficializados pelo governo. Israel tem dito que não tratará a Autoridade Palestina como uma entidade com duas lideranças, negociando a paz com Abbas enquanto combate o Hamas. Mas Olmert nunca disse que não negociaria com Abbas, que, ao contrário do Hamas, é a favor das negociações com Israel para a criação de um Estado Palestino.Novo governoO negociador palestino Saeb Erekat disse que Abbas "está pronto para encontrar-se com Olmert assim que ele formar o governo israelense".Olmert, cujo novo governo deve ser anunciado na quinta-feira, planeja estabelecer as fronteiras israelenses até 2010, quando deve terminar a construção de um muro separando os dois Estados. A medida exigirá a retirada de milhares de colonos judeus que vivem na Cisjordânia. Olmert tem sustentado que tentaria negociar um acordo com os palestinos, mas se este falhar tomaria ações unilaterais.Do outro lado, o moderado Abbas tem reivindicado a liderança nas negociações de paz, o que passaria por cima do governo palestino. O Hamas rejeita o conceito de um Estado judeu em Oriente Médio dominado pela cultura islâmica. Alguns militantes do partido, no entanto, dizem que aceitariam uma presença temporária dos israelenses caso Israel retire todos os seus acampamentos da Cisjordânia e permita a volta dos refugiados palestinos - um ponto de partida bastante distante de uma proposta considerada aceitável por Israel.Nas últimas décadas, o Hamas reivindicou dezenas de atentados a bomba contra Israel, responsabilizando-se pela morte de centenas de pessoas. O grupo mantém, no entanto, um cessar-fogo negociado entre Abbas e o ex-primeiro ministro israelense Ariel Sharon em fevereiro de 2005.A retirada da Cisjordânia planejada por Olmert deve ser o principal assunto da visita do premier aos Estados Unidos, que deverá acontecer assim que o novo governo israelense for nomeado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.