Olmert revoga permissões de residência de deputados do Hamas

O primeiro-ministro designado de Israel, Ehud Olmert, decidiu nesta terça-feira limitar a resposta imediata ao atentado de Tel Aviv a medidas políticas, que se concretizam na revogação da permissão de residência em Israel de três deputados do Hamas que vivem em Jerusalém Oriental.Um porta-voz do governo israelense, Raanan Gissin, informou à EFE que o Executivo, reunido nesta terça-feira para decidir que resposta dar ao atentado suicida que causou na última segunda-feira a morte de nove pessoas e deixou outras 40 feridas, decidiu "revogar a permissão de residência dos três legisladores do Hamas de Jerusalém Oriental".Após essa decisão, os deputados perderão os direitos sociais adquiridos em Israel e deverão mudar-se para a Cisjordânia.Gissin acrescentou que Israel continuará lutando contra o terrorismo, como o país faz sempre, "adaptando as operações à ameaça".Para o governo israelense, não há diferença entre o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) e a Jihad Islâmica, a qual assumiu na última segunda-feira a autoria do atentado."Continuaremos perseguindo os terroristas e combatendo o terror sem levar em conta a filiação", disse o porta-voz, acrescentando que o governo palestino está dirigido por uma entidade terrorista.Gissin disse também que "Israel sempre distingue entre estes e outros palestinos, mantém abertos canais de comunicação e não desqualifica o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas".O porta-voz destacou, no entanto, que, apesar de o Hamas dirigir o governo, o presidente da ANP tem "autoridade para combater o terrorismo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.