Olmert se responsabiliza pela ofensiva no Líbano

Ehud Olmert disse nesta segunda-feira que ele assume total responsabilidade, como primeiro-ministro de Israel, pela ofensiva contra o Líbano. Olmert disse que o cessar-fogo da ONU, que entrou em vigor na manhã desta segunda-feira, eliminou um "Estado dentro de um Estado", comandado pelo Hezbollah, e restabeleceu a soberania do Líbano no sul do território.O premiê prometeu fazer tudo o que pudesse para conseguir o retorno dos soldados israelenses capturados pelo Hezbollah em 12 de julho, o que desencadeou a guerra. Olmert disse que a guerra trouxe mudança ao equilíbrio estratégico na região, para desvantagem do Hezbollah. O grande estoque de armas da milícia foi quase todo destruído, e a sua auto-confiança enfraquecida."Continuaremos a persegui-los em todos os lugares e a qualquer momento", afirmou. "Não temos a intenção de pedir a permissão de ninguém." Olmert fez uma declaração ao parlamento de Israel, o Knesset, pela primeira vez desde os primeiros dias da guerra, que teve início em 12 de julho. Seu discurso foi seguido pelo discurso do líder da oposição, Benjamin Netanyahu.Netanyahu, chefe do partido Likud, disse que houve muitas falhas na guerra. Com soldados e civis mortos nos 34 dias de guerra, Olmert afirmou que houve "deficiências" na forma com que a guerra foi conduzida. "Teremos que rever a nós mesmos em todas as batalhas", afirmou. "Não varreremos nada para debaixo do tapete." Atualizada às 11h12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.