Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Ômicron infectará quase todo mundo, mas vacinados sofrerão menos, diz Fauci

Segundo o infectologista conselheiro da Casa Branca, não vacinados têm 20 vezes mais propensão de morrer, 17 vezes mais de serem hospitalizados e 10 vezes mais de serem infectados

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2022 | 11h11

A variante Ômicron do novo coronavírus infectará "quase todo mundo", independentemente do status de vacinação, disse o principal especialista em doenças infeccionas dos Estados Unidos, Anthony Fauci na última terça-feira, 11. Porém, pessoas vacinadas devem responder melhor às infecções.

Segundo ele, aqueles que foram vacinados “muito provavelmente, com algumas exceções, se sairão razoavelmente bem” e evitarão hospitalização e morte, disse Fauci, falando em um evento virtual com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. 

Fauci também disse em uma audiência no Senado no mesmo dia que os não vacinados são 20 vezes mais propensos a morrer, 17 vezes mais propensos a serem hospitalizados e 10 vezes mais propensos a serem infectados do que os vacinados.

“Aqueles que ainda não foram vacinados sofrerão o impacto do aspecto grave disso”, disse ele, referindo-se ao aumento de casos. “E embora seja menos grave caso a caso, quando você tem quantitativamente tantas pessoas infectadas, uma fração delas vai morrer”, disse ele.

Um funcionário da Organização Mundial da Saúde previu na terça-feira que a variante omicron infectará mais da metade da população na região europeia nas próximas seis a oito semanas, se as tendências atuais se mantiverem. 

EUA mais perto do pico

Cientistas estão vendo sinais de que a alarmante onda da Ômicron pode estar perto de atingir o pico nos Estados Unido e logo deve começar a cair drasticamente. O mesmo parece estar sendo observado no Reino Unido. O motivo: a variante provou ser tão contagiosa que já pode estar ficando sem pessoas para infectar, apenas um mês e meio depois de ter sido detectada pela primeira vez na África do Sul .

"Vai cair tão rápido quanto subiu", disse Ali Mokdad, professor de análises de métricas de saúde da Universidade de Washington em Seattle.

Ao mesmo tempo, especialistas alertam que ainda há muita incerteza sobre como a próxima fase da pandemia pode se desenrolar. O platô ou refluxo nos dois países não está acontecendo em todos os lugares ao mesmo tempo ou no mesmo ritmo. E semanas ou meses de sofrimento ainda estão por vir para pacientes e hospitais sobrecarregados, mesmo que a queda aconteça.

“Ainda há muitas pessoas que serão infectadas à medida que descermos a curva”, disse Lauren Ancel Meyers, diretora do Consórcio de Modelagem covid-19 da Universidade do Texas, que prevê que os casos relatados atingirão o pico dentro de uma semana.

Na verdade, ela disse, pelos cálculos complexos da universidade, o número real de novas infecções diárias nos EUA – uma estimativa que inclui pessoas que nunca foram testadas – já atingiu o pico, atingindo 6 milhões em 6 de janeiro.

Casos menos graves

Um novo estudo com quase 70.000 pacientes na Califórnia demonstra que a Ômicron causa infecções menos graves do que outras variantes, resultados que se alinham com descobertas semelhantes da África do Sul, Grã-Bretanha e Dinamarca, bem como uma série de experimentos em animais .

Em comparação com a Delta, as infecções por Ômicron tinham metade da probabilidade de enviar pessoas para o hospital. Dos mais de 52.000 pacientes identificados a partir de registros médicos eletrônicos, os pesquisadores descobriram que nem um único paciente precisou de respirador durante esse período.

“É realmente um fator viral responsável pela redução da gravidade”, disse o Dr. Lewnard, epidemiologista da Universidade da Califórnia, Berkeley, autor do estudo, que foi publicado online na terça-feira e ainda não foi publicado em uma revista científica.

Apesar da virulência menos grave da Ômicron, os hospitais dos EUA estão a beira do colapso sob um influxo de casos. Dr. Lewnard disse que este foi o resultado da variante se espalhando como um incêndio. Em média, mais de 730.000 pessoas testam positivo todos os dias nos Estados Unidos, quase três vezes o pico anterior no inverno passado.

“Como é mais transmissível, em algum momento haverá muitas hospitalizações que inevitavelmente ocorrerão”, disse o Dr. Lewnard.

Nas últimas semanas , a Grã-Bretanha e vários outros países relataram que a Ômicron tem um risco menor de hospitalizações. Quando a variante atingiu os Estados Unidos no mês passado, o Dr. Lewnard e seus colegas começaram a analisar os registros eletrônicos de saúde mantidos pela Kaiser Permanente do sul da Califórnia, um grande sistema de saúde que atende 4,7 milhões de pessoas.

Eles analisaram 69.279 pacientes sintomáticos que testaram positivo para o coronavírus de 30 de novembro a 1º de janeiro. Três quartos das amostras positivas continham a variante Ômicron e o restante era Delta.

Os pesquisadores então seguiram as pessoas que testaram positivo para ver se elas acabaram no hospital. Eles excluíram os chamados pacientes incidentais de covid que apareceram em hospitais para outras queixas e testaram positivo para o coronavírus após a chegada.

Comparado com a Delta, a Ômicron reduziu o risco de hospitalização pela metade, segundo o estudo, e as pessoas que foram ao hospital com a nova variante permaneceram por um período mais curto. A variante reduziu as internações hospitalares em mais de três dias, uma redução de 70% em comparação com a Delta.

Quatorze dos pacientes infectados com Delta morreram, enquanto apenas um paciente com Omicron morreu.

À medida que os cientistas reuniram evidências de que a Ômicron é menos severa, eles lutaram para entender o porquê. Uma razão é que as pessoas infectadas com a variante têm mais defesas imunológicas do que em ondas anteriores. Em outros países, os pesquisadores descobriram que infecções anteriores com outras variantes reduzem as chances de as pessoas ficarem gravemente doentes com a Ômicron. A vacinação também oferece proteção.

"As vacinas são bastante úteis", disse o Dr. Lewnard. Ele e seus colegas descobriram que os californianos que foram vacinados tinham 64% a 73% menos probabilidade de serem hospitalizados do que as pessoas não vacinadas. Mesmo entre as pessoas não vacinadas, no entanto, a Ômicron era menos propenso a levar a hospitalizações do que o Delta.

Estudos em animais sugerem que o Omicron infecta prontamente as células das vias aéreas superiores, mas funciona mal nos pulmões, o que poderia explicar seus efeitos mais leves./AP, NYT e WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.