EFE/EPA/Kim Ludbrook
EFE/EPA/Kim Ludbrook

Ômicron pode se tornar dominante em alguns países europeus na próxima semana

Questões centrais continuam abertas, incluindo sobre a gravidade da doença que a variante causa e até que ponto as vacinas continuarão a fornecer proteção

Rick Noack, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 19h49

LONDRES - Líderes e cientistas europeus alertaram na sexta-feira que a variante Ômicron pode se tornar dominante em alguns países em breve, ultrapassando a variante Delta, que continua sendo a versão mais comum do vírus pelo mundo há meses.

“Esperamos que ela ultrapasse a Delta em alguns dias, não semanas”, disse Nicola Sturgeon, o primeiro ministro da Escócia, na sexta-feira, sobre a disseminação da Ômicron por lá.

Isso ecoa a última atualização da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, que tem muita confiança de que a variante Ômicron tem uma vantagem de crescimento sobre a Delta e estima que, espalhando-se em sua velocidade atual, se tornará dominante na Grã-Bretanha em meados de dezembro, com mais de um milhão de infecções no final do mês.

Também na Dinamarca, a Ômicron em sua trajetória atual pode se tornar dominante “no final da próxima semana”, disse Mads Albertsen, professor da Universidade de Aalborg.

A sensação é que a Grã-Bretanha e a Dinamarca não são destaques. Elas estão rastreando e modelando a disseminação com cuidado especial, e o que relatam pode refletir o que está surgindo em outras partes da Europa. E já que tantas vezes durante a pandemia a Europa serviu como uma prévia do que está por vir nos Estados Unidos, as autoridades americanas também estão observando de perto.

Os epidemiologistas já sabem que a Ômicron se espalhou rapidamente na África do Sul - a primeira amostra da variante identificada por lá foi da primeira semana de novembro e já era dominante dentro de um mês.

Mas a África do Sul tinha níveis bastante baixos do coronavírus quando a Ômicron surgiu, o que significa que não demorou muito para que a nova variante prevalecesse. Além disso, apenas um quarto das pessoas na África do Sul foram completamente vacinadas. A Europa oferece um teste mais verdadeiro para saber se a Ômicron pode vencer a Delta em lugares onde a maioria das pessoas está vacinada.

“A velocidade disso é surpreendente”, disse Linda Bauld, professora da Universidade de Edimburgo. “Se conseguir superar a Delta na Escócia e no Reino Unido, também o fará em outros lugares.”

Questões centrais continuam abertas, incluindo sobre a gravidade da doença que a variante causa e até que ponto as vacinas continuarão a fornecer proteção.

O Diretor-Geral Tedros Adhanom Ghebreyesus advertiu contra tirar “conclusões firmes” neste momento.

Anthony S. Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas da América, disse no início desta semana que, com base em dados preliminares, a variante Ômicron pode causar doenças menos graves que as variantes anteriores do vírus.

Mas muitos países da Europa não estão esperando para descobrir mais. Eles têm reintroduzido ou adotado uma série de medidas de controle - de restrições a viagens e exigências de máscara a bloqueios limitados e obrigatoriedade de vacinas.

Alguns especialistas temem que, mesmo que a variante cause doenças menos graves, seu avanço rápido pode sobrecarregar os hospitais que já foram afetados pela última onda de casos da Delta no continente.

“Embora esperançosos, não temos certeza de que qualquer redução [na gravidade da doença] seria suficiente para evitar que o número total de hospitalizações aumentasse substancialmente - além de nossa capacidade de absorvê-las”, disse Rowland Kao, professor da Universidade de Edimburgo, ao Science Media Center.

Neil Ferguson, um epidemiologista do Imperial College London cujos modelos definiram a política governamental na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, disse ao Guardian que a variante Ômicron “poderia sobrecarregar substancialmente o NHS (Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido), atingindo níveis máximos de admissões de 10.000 pessoas por dia. ”

Sturgeon alertou sobre um “potencial tsunami de infecções” e estimulou os escoceses a adiarem suas festas de Natal.

A proporção suspeita da Ômicron entre todas as infecções por coronavírus na Escócia aumentou de 2 por cento no domingo para mais de 15 por cento na sexta-feira, sugerindo que os casos estão dobrando a cada dois ou três dias.

“O que vemos nos dados hoje é talvez o crescimento exponencial mais rápido que vimos nesta pandemia até agora”, disse Sturgeon.

Albertson, na Dinamarca, disse que as novas restrições anunciadas na quarta-feira - que incluem férias escolares mais longas durante o Natal e restrições à vida noturna - podem atrasar, ligeiramente, o ponto da Ômicron ultrapassar a Delta por ali.

“Será muito rápido na maioria dos países agora”, ele disse.

Embora a Europa tenha ido muito mais longe do que os Estados Unidos impondo novas restrições nas últimas semanas, os governos europeus têm procurado evitar medidas tão rígidas ou abrangentes como no inverno passado.

Bauld, a professora da Universidade de Edimburgo, disse que as restrições são importantes para dar mais tempo para as pessoas receberem suas doses de reforço e para evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados.

Apesar da incerteza sobre quanto a Ômicron reduz a eficácia da vacina, Bauld disse que seu conselho permanece o mesmo: "Qualquer pessoa que tomou qualquer vacina está muito melhor do que as pessoas que não tomaram." /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.