OMS apoia mais impostos sobre cigarros para reduzir fumo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou nesta quarta-feira diretrizes para incentivar os países a aumentar os impostos sobre os cigarros para desestimular o fumo.

REUTERS

15 de outubro de 2014 | 13h03

As diretrizes, que dão liberdade para que cada país estabeleça seus próprios impostos, foram adotadas pelos participantes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco da OMS, tratado assinado por 179 nações com o objetivo de reduzir o consumo de tabaco e aprimorar a saúde em todo o mundo.

“Qualquer política para aumentar os impostos nos cigarros que de fato aumente os preços reais reduz o consumo de tabaco”, afirmam as recomendações esboçadas, observando que jovens e outros grupos de baixa renda reagem mais a mudanças de impostos e preços.

A aprovação das diretrizes ocorre em um momento no qual mais países em desenvolvimento seguem o exemplo de países mais ricos adotando normas mais rígidas para desencorajar o fumo em suas populações.

Nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde da Índia anunciou que as indústrias de tabaco agora precisam estampar alertas com imagens e textos em 85 por cento da superfície dos maços de cigarro à venda no segundo país mais populoso do mundo.

Anteriormente a OMS já havia sugerido um imposto padrão de 70 por cento no preço dos maços de cigarro como meta para salvar vidas, mas nas novas diretrizes não chegou a recomendar uma abordagem universal.

“Não há um nível ideal de impostos no tabaco que se aplique a todos os países, por causa das diferenças nos sistemas tributários, nas circunstâncias geográficas e econômicas e nos objetivos de saúde pública e fiscais”, afirmam as diretrizes.

As recomendações ainda estimularam a destinação de receitas oriundas dos impostos a programas de conscientização, promoção de hábitos saudáveis e prevenção de doenças para ajudar a frear o consumo de tabaco.

(Por Martinne Geller)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALOMSFUMOIMPOSTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.