AP Photo/Themba Hadebe
AP Photo/Themba Hadebe

OMS diz que África precisa se preparar para coronavírus e sugere medidas restritivas

Continente de 54 países e 1,2 bilhão de habitantes tem 659 casos do novo coronavírus

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 11h21

Representantes dos países africanos na Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmaram nesta quinta-feira, 19, que o continente precisa se preparar melhor para enfrentar a pandemia do coronavírus, reforçando a capacidade de identificar casos de contaminados e adotar medidas de restrição de circulação de pessoas. A África tem 659 casos de coronavírus em 34 países. As declarações da OMS à imprensa nesta quinta tiveram como foco principal a região com 1,2 bilhão de habitantes e 54 nações. 

A diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, afirmou que identificar os infectados, isolá-los e descobrir de onde veio a contaminação é fundamental para conter o avanço do coronavírus. Além disso, ela defendeu a restrição de circulação, o fechamento de escolas e sugeriu que as pessoas devam evitar aglomerações. "Quanto mais cedo adotarmos essas medidas de precaução antes que o vírus se espalhe, é melhor. É a coisa sábia a se fazer". 

Na quarta, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a África deveria se "preparar para o pior". "Meu continente deveria acordar", afirmou. 

O cenário de países como China, Itália, Irã e Espanha, os mais afetados pela pandemia, começa a se espalhar pelas cidades africanas: centros comerciais fechados, ruas vazias, lojas sem movimento e escolas sem alunos. Uma das precauções manifestadas foi a possibilidade de contágio rápido em grandes capitais como Lagos (Nigéria), Cairo (Egito), Kinshasa (Congo) e Luanda (Angola), todas metrópoles com milhões de habitantes e condições precárias de saneamento e transporte público. 

"Precisamos engajar as comunidades para criarmos uma rede de contato e adotar a vigilância. Todos os líderes locais e ONGs precisam estar à mesa para discutir esse assunto", afirmou Owen Kaluwa, representante da OMS para a África do Sul, onde há 116 casos confirmados. 

O país adotou medidas como a proibição da entrada de estrangeiros vindos de EUA, Reino Unido, China e Itália. Suspendeu aulas em escolas e universidades por um mês e fechou importantes portos. Bares e restaurantes terão de limitar o número de clientes e reduzir os horários de atendimento. 

As autoridades também destacaram a necessidade de reforçar a capacidade de testes em parceria e cooperação com o setor privado - hoje apenas 43 países africanos têm capacidade de realizar testes. "Precisamos aumentar o acesso aos testes, a detecção e adotar as medidas necessárias", disse Lucile Imboua-Niava, representante da instituição para o Senegal. 

No Senegal, as escolas e mesquitas foram fechadas e os voos foram reduzidos drasticamente desde 13 de março. Há 37 casos confirmados no país de 15 milhões de pessoas, onde um canal de televisão tem transmitido aulas para as crianças. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Receba as principais atualizações sobre o coronavírus no seu email. Clique aqui e se inscreva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.