OMS negocia pacote para combater gripe suína

Com o número de casos beirando os 2 mil, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU) negociam um pacote internacional para lidar com o vírus A (H1N1), da gripe suína, e garantir remédios aos países mais pobres. O acordo vai incluir um plano para fabricar vacinas, acesso a antivirais, fortalecimento de sistemas de saúde, financiamento para países pobres e entendimento sobre patentes. O Brasil quer a garantia de que novas vacinas produzidas não serão patenteadas.

AE, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 08h00

Países ricos correm para encomendar vacinas que nem existem, o que pode fazer com que falte remédio para os demais. Ontem, a OMS anunciou uma reunião entre empresas em Genebra, na semana que vem, para superar um dilema: abandonar ou não a produção de vacinas para a gripe sazonal para permitir a do novo vírus. A OMS afirma que o Instituto Butantã fará parte do acordo para a produção de vacinas. A entidade se deu conta de que precisará dos brasileiros. Em duas semanas, uma reunião com países doadores, Banco Mundial e empresas será feita.

Se a gripe suína se transformar em pandemia, as empresas terão de fazer uma nova vacina. Elas vão receber amostras do vírus até o fim do mês. A OMS hesita por causa do alto número de vítimas que a gripe sazonal faz. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suínaOMSvacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.