OMS poderá retirar Hong Kong de locais afetados pela Sars

Não foi reportado nenhum novo caso de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) neste domingo em Hong Kong, abrindo caminho para que a Organização Mundial de Saúde (OMS) retire o território autônomo de sua lista de locais afetados pela enfermidade. Há 20 dias nenhuma pessoa é internada em Hong Kong com suspeita de Sars. De acordo com funcionários da OMS, a entidade pretende retirar amanhã de sua lista o nome do território.Para demonstrar a nova situação, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Stephen Ip, visitou hoje o hotel onde surgiu em fevereiro o primeiro caso da doença. Amanhã, após o esperado anúncio da OMS, Ip pretende divulgar as novas medidas do governo de Hong Kong para impulsionar o turismo, uma das áreas mais afetadas pela Sars, também conhecida como pneumonia asiática.Ao todo, a Sars infectou 1.755 pessoas e causou 296 mortes em Hong Kong. Ainda há 49 pessoas internadas ou prestes a receber alta médica. Outras 1.410 se recuperaram, inclusive duas que deixaram hoje o hospital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.