OMS relaciona casos de câncer à obesidade

Até um terço dos casos de câncer de cólon, mama, rins e no sistema digestivo é atribuído ao excesso de peso e à pouca atividade física, informou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com especialistas da OMS, metade dos adultos na Europa e 61% nos Estados Unidos têm problemas de obesidade, e a epidemia se estende por todo o mundo, com a chegada do estilo de vida ocidental."Aumentar de peso, inclusive se você está na categoria normal, aumenta o risco (de câncer)", disse o doutor Harri Vainio, chefe da unidade de quimioprenvenção da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, que reuniu um comitê de especialistas na primeira análise sobre a contribuição da obesidade e o estilo sedentário de vida ao câncer. "O fator mais importante é não aumentar de peso, sem se importar muito com o quanto você pesa atualmente", disse Vainio.Em um informe preliminar publicado hoje, o comitê da OMS afirmou que, apesar da falta de evidências diretas, as mudanças hormonais produzidas com a perda de peso poderiam reduzir os riscos de alguns tipos de câncer. Essa pesquisa sugere que a perda de peso, até mesmo em idades avançadas, pode cortar os riscos de câncer de mama e de útero. De acordo com os especialistas, evitar o ganho de peso pode proteger uma pessoa contra o câncer de cólon, rins, vias urinárias, sistema digestivo e mama. O exercício físico ajuda a prevenir o câncer de mama e de cólon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.