OMS: surto de ebola pode atingir 20 mil em 9 meses

Em documento publicado nesta quinta-feira, 28, a agência de saúde da ONU disse que o surto da doença "continua a se acelerar"

PRISCILA ARONE, Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2014 | 11h34

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu nesta quinta-feira que o número de pessoas afetadas pelo vírus do ebola pode subir para 20 mil nos próximos nove meses e projetou que cerca de meio bilhão de dólares serão necessários para financiar os esforços com o objetivo de interromper a disseminação da doença.

Em documento publicado nesta quinta-feira, a agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o surto da doença "continua a se acelerar". Mais de 40% dos casos relatados surgiram nas últimas três semanas, diz o relatório.

Autoridades de saúde dos quatro países afetados - Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa - relataram 3.069 casos da doença desde o início do surto, em dezembro. O ebola é causado por um vírus que provoca febre tão alta que leva à perfuração de vasos sanguíneos e, consequentemente, a hemorragia interna. A doença, para a qual não existe vacina ou tratamento comprovado, já matou 1.552 pessoas.

"Isso ultrapassa em muito os números qualquer outro surto de ebola. O maior surto registrado anteriormente foi de 400 casos", disse o doutor Bruce Aylward, diretor-geral assistente para emergências operacionais da OMS, aos jornalistas.

"Não estamos dizendo que esperamos 20 mil casos", declarou ele. "Mas temos de ter um sistema implantado para que possamos lidar com números robustos.

"O que vemos hoje, em contraste com surtos anteriores de ebola, são vários pontos com infectados nesses países e não um surto numa única e remota área de floresta, o tipo de ambiente com o qual tínhamos de lidar no passado. Por fim, não são apenas vários pontos de infecção em um país, mas sim uma doença internacional." Outra questão, lembrou ele, é a dificuldade em lidar com o ebola em cidades grandes e áreas amplas.

A OMS, cuja sede fica em Genebra, disse em seu relatório - considerado um roteiro para confrontar o ebola - que é necessário melhorar as instalações laboratoriais e aumentar o número as equipes com mais experiência para conter o surto. A infraestrutura de saúde pública também precisa ser melhorada para lidar com futuras ameaças.

O roteiro apresentado pela OMS presume "que em muitas áreas de transmissão intensa, o número verdadeiro de casos pode ser quatro vezes maior do que o registrado atualmente". O relatório pede o estabelecimento de centros de isolamento para infectados pelo ebola e que o sepultamento das vítimas que seja supervisionados por especialistas, entre outras medidas mais específicas para conter a doença.

Segundo a agência da ONU, levar especialistas em saúde para as regiões afetadas pelo surto é uma prioridade urgente, mas lembrou que isso tem se tornado mais difícil depois de companhias aéreas internacionais, dentre elas Air France, British Airways e Emirates Airlines terem suspendido voos para alguns dos quatro países afetados.

O doutor Aylward disse que a agência está pedindo às companhias aéreas que levantem a maior parte de suas restrições de viagem para países afetados porque uma ligação aérea previsível é necessária para lidar com a crise.

O programa da OMS deve custar por volta de US$ 490 milhões e exigir contribuições de governos regionais, da ONU e de organizações não governamentais, assim como de organizações humanitárias.

COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS E DA DOW JONES NEWSWIRES

Tudo o que sabemos sobre:
mundoebolaOMSsurto20 mil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.