Onda de ataques no Iraque deixa 13 mortos, 26 feridos

Pelo menos 13 pessoas morreram neste domingo, e outras 26 ficaram feridas em vários ataques da insurgência em diferentes partes do Iraque, informaram fontes policiais iraquianas. Três iraquianos morreram na explosão de um carro-bomba no centro de Bagdá, enquanto outros quatro morreram em um ataque insurgente 125 quilômetros ao norte da capital iraquiana, explicaram as fontes.Outras três pessoas morreram e várias ficaram feridas na explosão de um segundo carro-bomba em Bagdá.Em Baquba, no leste do Iraque, três iraquianos, entre eles um oficial da polícia, morreram em diferentes ataques, segundo um comunicado do Escritório de Coordenação Conjunta de Segurança iraquiano-americano.Outras fontes policiais iraquianas afirmaram que pelo menos 19 civis ficaram feridos em vários ataques perpetrados em uma região 170 quilômetros ao norte de Bagdá. No sábado, pelo menos 26 pessoas morreram em vários ataques registrados em diferentes pontos do Iraque.Entre as vítimas se encontra o general Moussa Hatim al-Hadidi, chefe dos serviços de inteligência na conflituosa cidade de Kirkuk, cujo controle é disputado por curdos, sunitas e turcomanos.Dezesseis funcionários de um centro estatal de tecnologia no Iraque foram seqüestrados por vários pistoleiros e levados a um destino desconhecido, disseram hoje fontes policiais. Segundo as fontes, os empregados saíam de seu centro de trabalho em Tahi (20 quilômetros ao norte de Bagdá) quando foram surpreendidos por um grupo de homens armados.Até o momento, ninguém reivindicou a ação, que se soma à onda de seqüestros registrados em Bagdá e seus arredores nos últimos meses, e que muitas vezes têm motivações sectárias.Suspeitos presosAs tropas multinacionais detiveram hoje 11 supostos terroristas em várias operações no leste de Ramadi, capital de Al-Anbar, no oeste do Iraque e reduto da insurgência sunita, segundo um comunicado do comando militar dos Estados Unidos. A nota informa que as detenções ocorreram quando as forças de segurança perseguiam "dois terroristas estrangeiros que facilitavam o movimento dos terroristas e que dirigiam a rede Al-Qaeda no Iraque".Segundo o comunicado, as operações ocorreram sem que a população civil sofresse danos.As tropas da coalizão acharam, além disso, dois arsenais que continham várias armas brancas, cinturões explosivos, bombas e artefatos explosivos. Todas as armas foram destruídas junto a um edifício onde se armazenavam explosivos, explica o texto, que acrescenta que as mulheres e as crianças que se encontravam no interior do imóvel não ficaram feridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.