Onda de atentados deixa 33 mortos no Iraque

Ao menos 12 crianças estão entre os mortos após explosão de carro-bomba do lado de fora de uma escola primária no norte do país

Agência Estado

06 de outubro de 2013 | 20h25

Uma onda de ataques ocorrida neste domingo, 6, no Iraque deixou ao menos 33 mortos, entre elas 12 crianças, após uma explosão de carro-bomba do lado de fora de uma escola primária no norte do país, disseram autoridades.

As explosões deste domingo começaram durante a manhã na vila xiita de Qabak, perto de Tal Afar, cerca de 420 quilômetros ao noroeste de Bagdá. A região é considerada reduto de insurgentes sunitas e um corredor para os combatentes islamitas que chegam da vizinha Síria.

Um carro bomba explodiu do lado de fora de uma escola enquanto crianças de entre seis e 12 anos se encontraram em sala de aula. Outro veículo carregado de explosivos foi detonado perto de um posto policial próximo, afirmou o prefeito de Tal Afar, Abdul Aal al-Obeidi. Doze 12 crianças, o diretor da escola e dois policiais foram mortos e outras 90 pessoas ficaram feridas.

Horas depois, em outro ataque suicida, um homem à pé detonou os explosivos que carregava horas quando peregrinos xiitas cruzavam o bairro majoritariamente sunita de Waziriya, no norte da capital do Iraque. No ataque, ao menos 12 pessoas morreram e outras 23 ficaram feridas, segundo informaram policiais de funcionários da saúde.

Também neste domingo, uma bomba explodiu em um estacionamento no distrito de al-Jadidah, que possui zona sunitas e xiitas, ao leste da capital Bagdá. No atentado, seis pessoas morreram e 12 ficaram feridas, segundo informações da polícia e hospitais.

Estes foram os últimos atentados em meio à mais implacável e violenta campanha que assola o Iraque em 2008. O aumento no número de mortos eleva os temores de que o país esteja se encaminhando para uma guerra sangrenta similar à guerra civil após a invasão dos EUA em 2003. Ninguém reivindicou a autoria dos ataques. Fonte: Associated Press.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolênciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.