Amr Nabil / AP
Amr Nabil / AP

Onda de calor mata 21 pessoas no Egito

Ministério da Saúde recomenda que população se previna; altas temperaturas devem continuar até final de agosto

O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 12h15

Cairo - Pelo menos 21 idosos morreram ontem em razão da onda de calor que castiga o Egito. Outras 581 pessoas tiveram que ser hospitalizadas por problemas de saúde relacionados às altas temperaturas, informou nesta quarta-feira, 12, o Ministério da Saúde.

Nos últimos três dias, 40 pessoas morreram no Egito, que há várias semanas registra temperaturas máximas acima de 40 graus centígrados e um grande nível de umidade.

Segundo comunicado divulgado pela agência de notícias egípcia Mena, o Ministério da Saúde afirmou que dez mortes dentre as registradas ontem ocorreram no Cairo.

Três detentos morreram em uma delegacia no bairro de Shubra al Kheima devido ao calor, à aglomeração e a má ventilação, de acordo com o Ministério do Interior.

Após receber atendimento médico em hospitais de diferentes províncias, 277 pessoas apresentaram melhora no quadro e tiveram alta. As demais permanecem sob observação.

O Ministério de Saúde insiste para que população tome precauções, especialmente os idosos e as crianças, além das pessoas que sofrem de diabetes, hipertensão e doenças cardíacas.

A onda de calor deve continuar pelo menos até o final do mês de agosto, segundo o Departamento de Meteorologia egípcio. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
calorEgitodesidratação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.