Onda de calor mata mais de dez pessoas em Xangai

Mais de dez pessoas já morreram em Xangai por causa da onda de calor que vem castigando a cidade, segundo autoridades do setor de saúde. As temperaturas em uma das principais regiões de negócios da China estão atingido os maiores níveis em, pelo menos, 140 anos.

AE, Agência Estado

31 de julho de 2013 | 11h09

Grande parte da China foi alvo de uma onda de calor de verão e, por essa razão, a Associação Meteorológica da China emitiu um aviso sobre altas temperaturas para várias províncias do leste do país e da região central.

O porta-voz do Centro Municipal de Xangai para Controle e Prevenção de Doenças, Leng Guangming, disse que houve, pelo menos, 10 vítimas de insolação até sexta-feira passada na cidade. Ele negou dar mais detalhes ou oferecer um numero mais exato.

Especialistas culpam, entre outros fatores, a falta de chuva pelos altas temperaturas, de acordo com a mídia estatal.

Imagens têm mostrado pessoas se escondendo do calor em lojas com ar-condicionado ou dentro das estações de metrôs. Além disso, piscinas e rios tem se mostrado um refúgio para muitos cidadãos.

Entre as imagens mais chocantes, uma emissora de TV de Xangai mostrou uma fatia de carne de porco cozida em 10 minutos após ser colocada em cima de um pedaço de pedra ao ar livre.

"Acontece que a única diferença entre mim e a carne assada é uma pitada de tempero", brincou um usuário de uma rede social chinesa parecida com o Twitter.

Terça-feira foi o oitavo dia consecutivo com temperaturas acima de 38 graus em Xangai, informou a agência oficial de notícias Xinhua, citando o serviço meteorológico local.

A temperatura chegou a 40,6 graus na sexta-feira, superando um recorde anterior de 40,2 graus em 1934 e marcou a temperatura mais alta desde o início dos registros, em 1873, disse o Xinhua. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
chinacalor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.