Onda de calor provoca falta de água na capital paraguaia

A cidade de Assunção, capital do Paraguai, e municípios da área metropolitana ficaram sem fornecimento de água potável em razão dos cortes de eletricidade causados pelo alto consumo. Os problemas ocorrem em consequência das elevadas temperaturas, que oscilam entre 36ºC e 45ºC. O abastecimento é afetado por problemas nas bombas que levam o líquido às residências.

AE-AP, Agencia Estado

08 de fevereiro de 2010 | 14h45

"Pedimos à população que gaste menos eletricidade", afirmou hoje a ministra da Saúde Pública, Esperanza Martínez. Após reunir-se com o presidente Fernando Lugo, ela explicou que "é apropriada a recomendação do governo de não se abusar da energia". A ministra criticou a atuação de governos anteriores que, segundo ela, não fizeram os investimentos necessários no setor energético. Milhares de pessoas na região da capital buscaram comércios com poços artesanais, para se abastecer de água.

Germán Fatecha, diretor da companhia estatal Ande, encarregada da distribuição de energia elétrica, disse que "estamos em estado de emergência, com as linhas de transmissão à beira do colapso, por isso fizemos cortes aleatórios por 15 ou 20 minutos, em diferentes partes da área metropolitana".

"A casa que consumir menos eletricidade em fevereiro terá um prêmio de tarifa reduzida", anunciou Fatecha. Marcos Maqueda, da direção de meteorologia nacional, disse que a previsão é de chuvas apenas entre a quarta-feira e a sexta-feira, mas a temperatura deve seguir bastante quente na região da capital.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraguaicalorluzágua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.