Onda de frio castiga 190 milhões nos EUA

Baixas temperaturas atingem até Estados onde inverno não é rigoroso e causam cancelamento de 2,5 mil voos e atraso de outros 4,4 mil; termômetros ficam entre 14ºC e 19ºC abaixo da média histórica no centro e no leste

Cláudia Trevisan CORRESPONDENTE / WASHINGTON, Agência Estado

07 de janeiro de 2014 | 10h17

Cerca de 190 milhões de moradores dos EUA foram atingidos ontem pela onda de frio que quebrou recordes mínimos de temperatura, provocou a morte de pelo menos seis pessoas, desde o fim de semana, e afetou o sistema de transportes, com o fechamento de estradas, paralisação de trens e cancelamento de voos.

O chamado vórtice polar fez os termômetros ficarem entre 14ºC e 19ºC abaixo da média histórica no centro e no leste do país, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia. Em Nova York, a mínima chegou a -15ºC no Central Park, o que derrubou o recorde de -14ºC registrado na mesma data em 1896. Com o impacto do vento, a sensação térmica era de -21ºC.

No Estado de Illinois, a temperatura chegou ao menor patamar em um 7 de janeiro na cidade de Chicago, com -27ºC – a sensação térmica chegou a -34ºC. A neve interrompeu o curso de três trens na região, deixando 500 passageiros isolados. Parte deles foi resgatada por ônibus, mas 300 pessoas tiveram de esperar durante nove horas para serem retiradas dos vagões. Até o fim da tarde de ontem, 2.500 voos haviam sido cancelados nos EUA e 4.400 registravam atrasos.

Recordes de temperatura mínima também foram quebrados nos Estados de Oklahoma, Texas e Indiana, onde a neve chegava a 30 centímetros. Nas regiões atingidas pelo frio mais severo, escolas permaneceram fechadas pelo segundo dia e a população foi orientada a ficar dentro de casa.

O vórtice polar começou a atingir o país no fim de semana e ontem se espalhou pelas regiões leste e chegou a áreas do sul que raramente veem invernos severos, como Flórida e Geórgia.

O Serviço Nacional de Meteorologia classificou a onda de frio de "perigosa" e alertou que ela pode matar. A agência emitiu advertência para o risco de sensações térmicas negativas para a maioria dos Estados das regiões central e leste, onde a percepção de frio poderia chegar a patamares de -28ºC a -45ºC em razão do vento. Exposição de alguns minutos a essas temperaturas sem proteção adequada pode provocar o congelamento da pele e hipotermia.

Desde o domingo, seis pessoas morreram em situações relacionadas ao frio, o que inclui acidentes de trânsito provocados pela neve ou falta de visibilidade. Quatro das mortes ocorreram em Chicago. Três delas foram de homens que usavam pás para retirar neve de frente de suas casas. Em Indianápolis, uma mulher foi encontrada morta do lado de fora de sua casa. A sexta vítima foi um morador de rua que morreu de hipotermia no Estado da Geórgia, no sul do país, onde a população foi surpreendida pela intensidade da onda polar.

"O frio é um verdadeiro assassino aqui", disse o prefeito de Indianápolis, Greg Ballard, segundo a Associated Press. "Em 10 minutos você pode estar morto se não usar roupas adequadas", alertou Ballard, que pediu a escolas e empresas que permanecessem fechadas ontem.

Clima. O vórtice polar é um ciclone de grandes proporções que normalmente ocorre em elevadas altitudes acima dos polos da Terra. Quando eles são fracos em intensidade, as ondas de ar frio "escapam" do redemoinho, espalhando-se para regiões localizadas ao sul da área polar, quando ele ocorre no Ártico.

Alguns cientistas acreditam que o aquecimento global contribui para a perda de força do vórtice polar, com o paradoxal efeito de queda das temperaturas no inverno.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAar polarfriorecorde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.