Onda de frio castiga América do Sul e mata dezenas

Bolívia registrou 23 mortes; frio também mata gado e

BBC Brasil, BBC

21 de julho de 2010 | 16h36

A onda de frio que atinge países da América do Sul já matou dezenas de pessoas em vários países e vem causando enormes prejuízos, segundo jornais locais.

Além do Brasil, Bolívia, Argentina, Peru, Chile, Paraguai e Uruguai já registraram mortes.

A Bolívia, país mais pobre da região, é o que contabiliza a maior quantidade de mortos por hipotermia nas últimas semanas, pelo menos 23.

A maioria dos mortos bolivianos são indigentes do Departamento (Estado) de Santa Cruz (leste do país), atingida por uma incomum onda de frio polar.

No Peru, o governo afirma que 104 pessoas morreram nas últimas semanas de problemas em decorrência do frio, como casos de pneumonia e outras doenças respiratórias, embora os relatos não digam com precisão quantas pessoas foram mortas por hipotermia.

Na Argentina, no mesmo período, 13 pessoas morreram de hipotermia e outras 33 por intoxicação por monóxido de carbono, devido ao uso de aquecedores em mau estado.

O Paraguai registrou cinco mortes e Uruguai e Chile duas cada, todas causadas por hipotermia. Meteorologistas dizem que a onda de frio pode permanecer na região até o início de agosto.

Gado

Além das mortes, o frio vem causando prejuízos econômicos aos países afetados. Milhares de cabeças de gado morreram no Brasil e no Paraguai.

O Chile decretou emergência agrícola em três províncias do sul do país. A medida permite ao governo manejar mais rapidamente verbas para atender a população e os agricultores afetados.

Os termômetros chegaram a -15ºC em algumas áreas. Povoados cobertos de neve ficaram isolados.

O mau tempo também levou ao cancelamento de vários voos no aeroporto Jorge Newbery, na capital argentina, Buenos Aires.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.