Onda de frio já matou 16 na Argentina desde domingo

Mau tempo também fecha aeroportos e escolas em várias cidades do país

Efe

11 Julho 2007 | 15h31

A onda de frio que castiga a Argentina desde o último domingo já deixou 16 mortos, provocou atrasos e cancelamentos de vôos e forçou a suspensão das aulas em mais de 200 escolas de todo o país, informaram nesta quarta-feira, 11, fontes oficiais. Dez das pessoas morreram diretamente por causa do frio, enquanto as outras seis morreram sufocadas por monóxido de carbono em diferentes pontos do país. Encanamentos obstruídos pelo gelo, congelamento das asas dos aviões, estradas intransitáveis, lotação superada em hospitais por doenças associadas ao frio e 221 colégios sem aulas foram outras das conseqüências derivadas da onda de frio polar. O frio fez com que, na segunda-feira, nevasse em Buenos Aires pela primeira vez em 89 anos. Para evitar novas vítimas, na província de La Rioja a Defesa Civil entregou nesta quarta cobertores, colchões e plásticos a cerca de 200 famílias. Além disso, em função da "operação de frio" que o governo da cidade de Buenos Aires começou a implementar na sexta-feira e que será mantido até o sábado, cerca de 400 indigentes da capital do país foram levados nesta terça-feira a refúgios. Um número semelhante, porém, negou se a ir para os refúgios, informou o subsecretariado de Promoção Social da cidade, Gabriela Groba. Reflexos Desde o domingo, o temporal levou à suspensão de mais de 40 vôos, principalmente da companhia aérea Aerolíneas Argentinas-Austral, no aeroporto para vôos locais Jorge Newbery (Aeroparque), em Buenos Aires. Hoje, houve atrasos de até 10 horas. Mais de 600 passageiros tiveram que ficar esperando ontem na província de San Luis, uma das mais castigadas pelo temporal, e foram levadas a diferentes refúgios devido ao mau estado das estradas, que obrigou as companhias de transporte de média e longa distância a cancelar seus serviços. Em todos os hospitais da província de Entre Ríos foi declarado "alerta amarelo" por causa da grande quantidade de pessoas atendidas devido a doenças associadas ao frio. A temperatura mais baixa do país foi registrada hoje na cidade de San Martín dos Andes (província de Neuquén), com 18,5 graus abaixo de zero. O Serviço Meteorológico Nacional informou hoje que a massa de ar polar continuará cobrindo quase todo o país toda esta semana, e que o auge do frio deve ocorrer amanhã na região central da Argentina. A ONG humanitária Rede Solidária calcula que 55 pessoas já tenham morrido em decorrência do frio na Argentina neste inverno (que começou em 21 de junho), e 64 desde 28 de maio.

Mais conteúdo sobre:
Argentina frio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.