Raminder Pal Singh/ EFE
Raminder Pal Singh/ EFE

Onda de frio provoca neblina intensa e aumento no nível de poluição da Índia

A capital Nova Délhi bateu um recorde de 119 anos ao atingir apenas 9 graus célsius na última segunda-feira; pessoas em situação de rua são as mais afetadas

Redação, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2020 | 04h20

A cidade de Nova Délhi, capital da Índia, enfrentou na última segunda-feira, 29, seu dia mais frio em 119 anos. Desde então, centenas de escolas da região precisaram ser fechadas. Motoristas não conseguem dirigir devido à intensa neblina que se forma nas estradas. As temperaturas estão abaixo dos 10 graus célsius.

Na segunda, os termômetros de Nova Délhi marcaram apenas 9 graus célsius, o que é 20 graus abaixo da média de dezembro. Na semana passada, a cidade quebrou seu mais longo período de inverno em duas décadas, ao enfrentar dez dias consecutivos de frio extremo.

Já no norte da Índia, onde a população está mais acostumada com as ondas de calor do que com as frentes frias perigosas, muitos moradores desprevenidos precisaram correr para comprar roupas de inverno. Nessa região, as temperaturas noturnas pairavam em torno de zero graus célsius.

Como consequência, inúmeras escolas perto de Nova Délhi precisaram ser fechadas. No fim de semana, pacientes com pneumonia invadiram os hospitais. Muitos adultos também se queixavam de tosses e resfriados quase constantes.

Ainda na capital indiana - e em seus estados vizinhos -, os ventos úmidos e gelados pioraram severamente o índice de poluição, conforme informou o departamento meteorológico da Índia. Nas primeiras horas da quarta-feira, 01, a péssima qualidade do ar alcançou um nível 20 vezes pior do que a Organização Mundial da Saúde, OMS, considera seguro.

Acompanhando as baixas temperaturas está um nevoeiro extremamente denso, que tem impossibilitado aos motoristas verem os carros que estão vindo em sua direção. A situação tem causado inúmeros acidentes e trânsito intenso. Em dezembro passado, centenas de voos e viagens de trens precisaram ser atrasadas ou canceladas devido à baixa visibilidade.

Na semana passada, seis pessoas morreram na cidade de Noida, perto de Nova Délhi, em detrimento do derrapamento de um carro na estrada. Os investigadores concluíram que a causa do acidente foi a névoa densa que encobria toda a região.

"O denso nevoeiro é a principal causa do frio", disse R.K. Jenamani, meteorologista do centro nacional de previsão do tempo da Índia. Ele atribuiu a severidade do clima às tempestades no Mediterrâneo, que causaram inúmeras chuvas de inverno no norte do país. 

 

Comércio aquecido

Em meio ao caos, os varejistas estão lutando para acompanhar a alta nas buscas por produtos de inverno. Ramesh Gupta, um comerciante de Nova Délhi que trabalha em um dos maiores mercados atacadistas de eletricidade da Índia, disse que a maioria dos aparelhos de aquecimento já estão esgotados.

Como consequência, as poucas opções que restam tiveram seus preços quase que dobrados na semana passada, de US$ 10 a US$ 19. Vivek Sharma, que vende roupas de lã no sul da capital, tem tido dificuldade em conseguir repor seus estoques, pois quase não há mais produtos nos armazéns da região.

"Eu nunca vi tanta demanda por roupas quentes", disse Sharma, quando um cliente procurava por blusas de malha. "Depois de uma hora, nada mais restará".

 

Pessoas de baixa renda são as mais afetadas

Neste cenário, as pessoas em situação de rua continuam sendo as mais vulneráveis. Em Nova Délhi, o governo administra 221 abrigos de inverno que podem acomodar cerca de 10 mil pessoas. No entanto, muitos estão em mal estado.

No estado de Uttar Pradesh, onde milhares dormem nas ruas, Yogi Adityanath, ministro-chefe do estado, distribuiu cobertores para pessoas em um abrigo. Logo depois que ele saiu, jornais indianos informaram que um grupo de fora tentou roubar os cobertores, o que deu início a uma investigação policial.

Na terça-feira, ventos frios fizeram um buraco em uma parede de um abrigo noturno em Chandni Chowk, cidade de baixa renda localizada em Nova Délhi. Cerca de 50 pessoas estavam lá dentro no momento do incidente. "Com tanto frio, é impossível dormir sem um teto", disse Manmohan Singh, um trabalhador que ganha menos de US$ 10 por dia e às vezes recorre ao abrigo.

No Instituto de Ciências Médicas da Índia, um grande hospital em Nova Délhi que oferece tratamento gratuito aos mais pobres do país, centenas de pacientes se espalharam pelas calçadas, cobrindo-se com retalhos. "Não tenho outra opção", disse Sarveshwar Pandey, um fazendeiro que viajou centenas de quilômetros para fazer um tratamento no joelho. Ele precisou passar a terça-feira, 31, na rua./ NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.