Onda de saques em cidade tomada pelos rebeldes

Cap-Haitien, a segunda maior cidade do Haiti, está sendo vítima de uma onda de saques após ser capturada pelos rebeldes no domingo. A captura desse cidade por apenas 200 rebeldes representa a mais importante vitória dos insurgentes desde o início de seu levante contra o presidente Jean-Bertrand Aristide no dia 5."Todos temos fome", disse Jean-Luc, de 11 anos, que levava quatro sacos de arroz com cerca de 50 quilos em uma bicicleta. Os saqueadores levaram 800 toneladas de alimentos de um depósito do Programa de Alimentação Mundial da ONU.Os moradores manifestaram-se a favor da rebelião e também destruíram cartazes com a imagem de Aristide, que era muito popular quando se tornou o primeiro presidente eleito do Haiti em 1990, mas perdeu o apoio por causa das fraudadas eleições legislativas de 2000, que levaram vários países a congelar milhões de dólares em ajuda.Os rebeldes também começaram hoje a deter as pessoas identificadas como simpatizantes de Aristide. "Sou um pedreiro, não fiz nada de errado", suplicava Jean-Bernard Prevalis, de 33 anos, enquanto era arrastado com a cabeça ensangüentada por insurgentes. Moradores da cidade o acusaram de ser partidário de Aristide e um narcotraficante."Vamos limpar a cidade de todos os ´chimere´", disse o rebelde Dieusauver Magustin, de 26 anos. "Chimere" em creole significa "fantasma" e é a palavra usada para descrever os militantes pró-governo. Não se sabe o que acontecerá com os detidos. Um rebelde disse que eles haviam sido presos para que não fossem linchados pela população. Mas outro, Claudy Philippe, disse: "As pessoas nos mostram as casa dos ativistas. Se estão ali, os executamos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.