Onda de terremotos é 'coincidência', afirmam cientistas

Não há nada incomum com a série de terremotos ocorrida no início deste ano no Haiti, no Chile e na Turquia, afirmaram hoje sismólogos consultados pela agência de notícias Associated Press. Segundo os cientistas, apesar de um forte terremoto ter potencial para aumentar o risco de movimentos telúricos em outros lugares, a recente série de abalos sísmicos é, provavelmente, uma coincidência.

AE-AP, Agencia Estado

08 de março de 2010 | 18h10

Bernard Doft, sismólogo do Real Instituto Meteorológico dos Países Baixos, assegura que não há nenhuma conexão direta entre os terremotos ocorridos recentemente no Haiti, no Chile e na Turquia. "Esses acontecimentos estão muito distantes para que haja uma influência direta de um sobre outro", disse o especialista.

No caso haitiano, o terremoto ocorreu em uma falha geológica que não havia experimentado grandes movimentos nos últimos 250 anos. Já o Chile e a Turquia possuem histórico de abalos sísmicos devastadores. "Eles ocorreram aproximadamente ao mesmo tempo por casualidade", observou Doft.

Ainda de acordo com eles, as recentes catástrofes demonstram como a urbanização de áreas situadas sobre falhas sísmicas são capazes de provocar mortes em massa. "Posso afirmar definitivamente que o mundo não está acabando", disse Bob Holdsworth, especialista em placas tectônicas da Universidade de Durham, na Inglaterra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.