Onda de violência atinge Atenas após morte de adolescente

Morte de jovem por policial desata protestos que se estenderam pelas principais ruas da cidade grega

Agências internacionais,

07 de dezembro de 2008 | 05h51

Uma onda de violência se espalhou pelo centro de Atenas e outras cidades da Grécia neste domingo depois que um adolescente de 16 anos foi morto por policiais na noite de sábado, 6. Os protestos ocorreram no bairro de Exarhia, quando 30 indivíduos encapuzados atacaram um veículo policial com pedras e bombas incendiárias. O policial autor dos disparos foi detido neste domingo sob acusação de homicídio doloso e uso ilegal de arma", enquanto o outro oficial envolvido no caso foi acusado de ter sido "cúmplice no assassinato".O bairro de Exarhia é um ponto de freqüentes enfrentamentos entre gangues e policiais, que originam grandes danos materiais em lojas, estabelecimentos e veículos. A região é dominada por grupos que se autoproclamam anarquistas. Anarquistas gregos consideram o bairro de Exarchia como sua fortaleza e freqüentemente atraem a polícia para emboscadas, para ataques com bombas caseiras e pedras. O ministro do Interior grego, Prokopis Pavlopoulos, condenou o fato e declarou que as causas do incidente serão investigadas.   O Ministério do Interior afirmou que um grupo de 30 jovens cercou um carro da polícia e apedrejou o veículo. Um deles tentou atirar uma bomba de gasolina e um policial disparou três vezes, acertando o jovem no peito. A polícia disparou gás lacrimogêneo contra centenas de jovens que iniciaram o tumulto depois que a notícia da morte se espalhou. Manifestantes chegaram ao centro da capital grega e outros enfrentaram a polícia em frente à Universidade Nacional Técnica de Atenas.   Segundo testemunhas bancos e lojas de roupas foram danificados, mas vários bares escaparam intactos dos tumultos. Apesar dos danos serem grandes, não há relatos de saques às lojas. Durante a madrugada equipes de emergência tentavam apagar os incêndios enquanto muitos jovens se retiravam para a Politécnica de Atenas.   Os tumultos então se espalharam para as cidades de Salônica, a segunda maior da Grécia, para as cidades de Komotini e Ioannina no norte, e para Creta. Segundo a BBC, dois policiais foram suspensos e um inquérito já foi aberto. Não há informações de feridos entre os policiais ou entre os manifestantes.  Em Salônica, dezenas de jovens atacaram uma delegacia de polícia enquanto outros bloqueavam uma rua perto do campus da universidade local. As pessoas estariam sendo encorajadas a se juntarem aos protestos por meio de algumas páginas na internet.   Na semana passada ocorreram choques em Atenas entre a polícia e estudantes, quando cerca de 4 mil pessoas participaram de uma manifestação contra uma proposta de reforma na educação. A polícia prendeu 12 pessoas depois que um grupo de manifestantes violentos se separou do protesto e quebrou fachadas de bancos e lojas.   Em 1985 um episódio semelhante deu origem a anos de violência no bairro.E, no meio da violência, estão os moradores de Exarchia. Nas últimas semanas eles protestaram contra o aumento nos crimes e reclamam que a polícia freqüentemente não responde a chamados de emergência e permanece apenas nas delegacias. Depois da morte do jovem, policiais uniformizados ficarão ainda mais tensos, trabalhando num bairro que freqüentemente é mais parecido com uma zona de guerra, diz o correspondente.   Matéria atualizada às 13h08.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciaconflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.