Onda de violência mata 10 ativistas e policiais na Líbia

Assassinatos encomendados na Líbia deixaram dez mortos nos últimos dois dias, entre ativistas dos direitos humanos, jornalistas e membros das forças de segurança. Outras três vítimas de atentados conseguiram sobreviver, em ataques promovidos na cidade de Bengazhi, no leste do país.

AE, Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2014 | 17h33

A identidade dos assassinos ainda é desconhecida, mas milícias radicais islâmicas têm promovido frequentes ataques contra ativistas, juízes e policiais. A Líbia vive a pior onda de violência desde a queda do ditador Muamar Kadafi, em 2011. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Líbiaviolênciamilícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.