Onda de violência no México deixa 17 mortos

As autoridades mexicanas localizaram, na madrugada desta quinta-feira, os cadáveres de 12 pessoas, incluídos oito carbonizados, no estado ocidental de Nayarit. Em outras partes do país, ataques a funcionários públicos e policiais deixaram pelo menos mais cinco mortos.

AE-AP, Agência Estado

08 de abril de 2010 | 19h26

A procuradoria de Nayarit, cidade a cerca de 700 quilômetros da capital mexicana, informou que os cadáveres foram encontrados após uma inspeção de rotas rurais, após relatos sobre tiroteios. Além dos mortos, também foram encontrados dez veículos abandonados nas imediações, muitos dos quais tinham armamentos.

Ontem, a polícia do Estado de Nuevo León, no norte, encontrou os cadáveres de um chefe da polícia e de dois agentes que haviam sido sequestrados na terça-feira, disse o chefe de segurança do estado, Luis Carlos Treviño. Já no Estado de Morelos, no centro do país, um grupo de homens armados atacou a tiros, na noite de ontem, os policiais federais na cidade de Cuernavaca, matando um guarda, disseram as autoridades locais em comunicado.

No Estado de Chiapas, no sul, um civil foi morto num tiroteio entre supostos narcotraficantes e a polícia federal na cidade de Frontera Comalapa, perto da Guatemala. A violência ligada ao narcotráfico já deixou 18 mil pessoas mortas no México desde dezembro de 2006, quando o presidente Felipe Calderón tomou posse e iniciou a guerra aos cartéis da droga.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoviolênciatráficomortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.