Onda de violência no Timor Leste deixa um morto

Um jovem morreu e várias casas foram incendiadas e destruídas durante o surto de violência registrado no domingo pela noite em Díli, a capital do Timor Leste, entre grupos rivais de praticantes de artes marciais.A vítima, de 20 anos, foi atacada na noite de domingo por vários jovens quando se dirigia ao mercado para fazer compras no município de Bairopite, da capital, disse à Efe seu irmão Caetano da Costa Martins."Os atacantes cortaram a língua e a mão direita do meu irmão, além de decapitá-lo", acrescentou.Martins assinalou que seu irmão era membro de um grupo de artes marciais, mas assegurou que nunca tinha se envolvido nos enfrentamentos que nos últimos meses foram registrados em Díli.Em outro local de Díli, nas proximidades do gabinete do presidente Xanana Gusmão, também foram registrados na noite de domingo brigas entre dois grupos rivais de artes marciais."Não houve mortos ou feridos, mas duas casas foram incendiadas e outras tantas destruídas", disse à Efe Miguel dos Santos, morador do município de Caicoli.A porta-voz da UNPOL (Polícia das Nações Unidas), Monica Rodrigues, confirmou os dois incidentes ocorridos nos municípios de Bairopite e Caicoli, na capital, assim como a morte do jovem.As brigas entre gangues de jovens ligados às artes marciais passaram a ser relativamente freqüentes no Timor Leste no último ano.A Polícia iniciou uma investigação para determinar se estes novos enfrentamentos têm um componente político ou se estão relacionados com a onda de violência que em maio passado pôs o país à beira da guerra civil.A onda de violência se desencadeou após a demissão de 600 militares e causou a morte de aproximadamente 30 pessoas e o deslocamento outras cem mil, além de requerer a entrada de tropas internacionais no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.