Onda terrorista deixa 40 mortos na Argélia

Pelo menos 40 pessoas morreram em conseqüência de uma nova onda de violência na Argélia nos últimos cinco dias. Segundo informa hoje a imprensa local, o recrudescimento da violência deve estender-se por vários dias. O primeiro-ministro argelino, Ali Benflis, manifestou-se confiante de que a batalha contra o terrorismo será finalmente vencida, embora "estejamos plenamente conscientes de que ainda será necessário tempo, mobilizações e provavelmente outros sacrifícios" para que isto aconteça. Benflis explicou que ainda existem grupos terroristas "de grande ferocidade, e que ainda dispõem de grande capacidade para provocar danos". O mandatário lembrou que a situação atual não se compara à vivida no país nos anos 90, e ressaltou que em todas as regiões da Argélia a vida está voltando, progressivamente, à normalidade. No entanto, analistas políticos escreveram hoje que o recrudescimento dos atos terroristas deve estender-se, já que é esta a maneira que as facções islâmicas têm para pressionar as eleições legislativas previstas para junho próximo. Segundo cifras oficiais, de 1992 até hoje, mais de 100.000 pessoas morreram em conseqüência do terrorismo na Argélia, ao que se deve somar os danos econômicos causados ao pais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.