ONG acusa EUA de maus tratos a presos de guerra

Cerca de cem prisioneiros morreram sob custódia dos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão desde agosto de 2002, segundo a ONG americana de direitos humanos Human Rights First. Os detalhes foram divulgados pela primeira vez no programa de televisão da BBC Newsnight. Das 98 mortes, pelo menos 34 foram homicídios confirmados ou suspeitos, segundo o programa.Um representante do Pentágono disse à BBC não ter visto o relatório mas que alegações de maus tratos são levadas "muito a sério".O relatório da Human Rights First - uma ONG fundada em 1978 para defender os direitos humanos nos EUA e no mundo -, que será publicado nesta quarta-feira, é baseado em informações do próprio Pentágono e outras fontes americanas oficiais.Tortura A representante da ONG, Deborah Pearlstein, disse estar "extremamente segura" de que a informação é confiável. De acordo com o relatório, os 34 casos classificados como homicídios teriam sido "causados intencionalmente ou por descuido".A organização diz que outros onze casos são considerados "suspeitos" e que entre oito e 12 prisioneiros foram torturados até morrer.Mas apesar disso, segundo o grupo, poucos são acusados formalmente e, quando são, a punição é geralmente leve. Falando também no programa da BBC, o embaixador americano no Iraque, Zalmay Khalilzad, disse que a grande maioria dos soldados se comportam de acordo com a lei.Mas ele reconheceu que há abusos. "Eles (os soldados) são seres humanos, eles descumprem a lei, eles cometem erros e têm que ser responsabilizados por isso e uma coisa boa sobre o nosso sistema é que as pessoas são responsabilizadas", afirmou.InvestigaçãoO parlamentar britânico Bob Marshall-Andrews disse à agência de notícias Press Association que o relatório confirma "em termos estatísticos a evidência já disponível em vídeo"."Se isso realmente estiver acontecendo de forma sistemática, então os que estão lá em cima devem ser responsabilizados, e isso se aplica aos governos britânico e americano", afirmou.Segundo Marshall-Andrews, a Anistia já chamou a atenção para o fato de que as sentenças para os que são considerados culpados têm sido muito brandas.Na semana passada, um canal de TV australiano transmitiu imagens inéditas mostrando o que parece ser abuso de prisioneiros iraquianos por soldados americanos na prisão de Abu Ghraib, no Iraque, em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.