Nick Ansell/PA via AP
Nick Ansell/PA via AP

ONG britânica Oxfam pede desculpas formais ao governo do Haiti

Convocado pelo ministro do Planejamento do país a se explicar, diretor da Oxfam afirmou que viajaram ao país do Caribe para 'expressar a nossa vergonha e nossas desculpas ao Governo haitiano e ao povo haitiano'

O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 17h40

A ONG britânica Oxfam pediu desculpas formais ao governo do Haiti nesta segunda-feira, 19, pelo escândalo com funcionários acusados de terem usado prostitutas e realizado práticas de assédio e intimidação.

+ Segundo relatório da ONG Oxfam, suspeitos de escândalo sexual no Haiti ameaçaram testemunhas

“Estamos aqui para expressar a nossa vergonha e nossas desculpas ao Governo haitiano e ao povo haitiano pelo que aconteceu”, disse Simon Ticehurst, diretor regional da Oxfam para a América Latina e o Caribe depois de uma reunião de mais de duas horas com o ministro do Planejamento e cooperação externa do Haiti, Aviol Fleurant, que convocou a instituição de caridade para se explicar.

+ Médicos Sem Fronteiras admite 24 casos de assédio ou abuso sexual em 2017

"Nós tomamos muitas medidas para melhorar as medidas de salvaguarda internas", disse ele depois da reunião.

Ontem, a Oxfam revelou um relatório interno de 2011 sobre a missão de ajuda no Haiti, que detalha como um de seus diretores pagou prostitutas e alguns de seus funcionários sofreram ameaças.

+ Após escândalo no Haiti, ONG Oxfam enfrenta denúncias de assédio sexual no Sudão do Sul

De acordo com o documento de 11 páginas, divulgado em uma versão parcialmente censurada, o ex-diretor da Oxfam no Haiti, o belga Roland Van Hauwermeiren, admitiu que pagou por relações sexuais com prostitutas em locais financiados pela organização. A ONG estava presente no país desde o terremoto de 2010, que deixou mais de 200 mil mortos. / AFP 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.