ONG denuncia crimes contra humanidade

A ONG de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou a Síria de crimes contra a humanidade durante a repressão a ativistas pró-democracia no país. Em um relatório de 63 páginas com base em 110 entrevistas realizadas em Homs, foco das ações da oposição, a entidade descreve torturas e assassinatos cometidos pelas forças de segurança do governo.

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2011 | 03h05

"Homs é um microcosmo da brutalidade do governo sírio", disse Sarah Leah Whitson, diretora de Oriente Médio do Human Rights Watch, que defendeu a suspensão da Síria da Liga Árabe e pediu uma ação do Conselho de Segurança para frear a violência no país.

Segundo o relatório, as forças de segurança usam armamentos pesados para disparar contra bairros (controlados por opositores) com o objetivo de aterrorizar as pessoas antes de entrar com blindados, tanques e outros veículos militares.

"As comunicações são cortadas e postos de controle são implementados para restringir o movimento de pessoas e também o acesso de comida e medicina", acrescenta o texto. "Assim como no resto da Síria, as forças de segurança em Homs prendem milhares de civis arbitrariamente e a tortura é sistemática nas prisões."

O relatório lembra ainda que, apesar de muitos dos detidos serem soltos semanas depois, centenas continuam desaparecidos. A maioria dos presos são jovens, mas há relatos de crianças, mulheres e idosos na prisão.

O regime argumenta que está lutando contra milícias e não reprimindo manifestantes pacíficos. O governo americano e diplomatas estrangeiros admitem que os opositores estão se armando, mas insistem no caráter pacífico dos protestos.

Há relatos independentes indicando que a oposição, composta majoritariamente por sunitas, tem organizado assassinatos sectários contra minorias étnicas.

/ G.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.